Sociedade materialista criando crianças egoístas

Nossa cultura “preciso ter” é prejudicial para a vida familiar e parece ser regra na sociedade materialista em que vivemos. Parece que o fato da criança não ter o brinquedo de última geração é prejudicial. O materialismo é uma percepção de egoísmo segundo Graham Gorton, presidente da Associação de Escolas Independentes da Grã-Betanha, em maio de 2010.

A pressão sobre os pais para matricular seus filhos em todos os curso imagináveis e estragá-los com dispositivos eletrônicos e roupas para acompanhar os seus “amigos” é apenas um sintoma de um sentimento de egoísmo que tem se proliferado nos últimos tempos. E não são apenas crianças que sofrem.

Durante o ano passado o susto de gripe suína, uma mulher que se sentiu doente e estava espirrando e tosse decidiu se animar indo aos cabeleireiros. Ela era inconsciente ou despreocupada sobre a perspectiva de espalhar seus germes entre as outras meia dúzias de pessoas no salão. Tudo o que lhe interessava era fazer-se sentir melhor.

Esse é apenas um dos muitos exemplos do cotidiano de uma sociedade materialista e egoísta, na qual as pessoas perseguem seus próprios interesses sem ter em conta as necessidades dos outros.

A sociedade materialista e egoísta

ostentação - sociedade materialista

As crianças de hoje são mais materialistas que as gerações anteriores.

Sue Gerhardt é psicoterapeuta e autora do livro “The Selfish Society – Sociedade egoísta”, que trata sobre o fim da ganância e do materialismo, e a criação de uma sociedade madura e empática e emocionalmente alfabetizada.

Ela diz que é justo que as pessoas que trabalham dura queira um estilo de vida razoável. Mas as coisas ficaram fora de equilíbrio. Pessoas que compram esses grandes carros que engolem petróleo. Isso parece não apenas o egoísmo! Mas também a miopia, porque eles realmente não estão pensando no futuro a longo prazo de todos nós. Eles estão pensando: ‘isso vai me fazer parecer poderoso ou rico’.”

A psicoterapeuta ressalta que existem outros valores que são essencialmente mais importantes do que o nosso bem-estar material: o valor da comunidade, a família, cuidar de outras pessoas, sentir-se conectado com seus filhos.

Em vez de seguir o caminho da “mania do consumidor” e do individualismo, Sue acredita que é hora de reavaliar os princípios e priorizar nosso bem-estar emocional e não material.

A preocupação com essa sociedade materialista

criança egoista mostrando a lingua

A psicoterapeuta Sue Gerhardt, atuante na Oxford Parent Infant Project, não está sozinha em suscitar preocupações sobre a direção em que estamos viajando coletivamente.

No ano de 2010, a Igreja Católica Romana emitiu um relatório dizendo que a boa cidadania e a verdadeira vizinhança foram ignoradas e que as pessoas estavam sendo “alienadas por uma sociedade materialista e egoísta.

Da mesma forma, foi instaurado o Inquérito da Boa Infância pela The Children’s Society, que afirmou que quase todos os problemas que os jovens enfrentam decorrem da cultura do “individualismo excessivo” que se desenvolveu nas últimas décadas.

As consequências da sociedade materialista e egoísta

criança egoista consequencia de uma sociedade materialista

A investigação feita pelo Inquérito da Boa Infância foi pioneira e durou dois anos. Foi realizadas 35 mil entrevistas com crianças, pais e profissionais. Chegaram a conclusão de que a atitude “eu em primeiro lugar” dos adultos, na qual eles lutam por status e sucesso, estava causando rupturas familiares, a competição na educação.

Se tornou um fosso crescente entre ricos e pobres, a maldade entre adolescentes e a sexualização prematura de crianças por parte dos anunciantes.

O relatório apontou que o número de crianças britânicas com problemas emocionais ou comportamentais aumentou de 10% em 1986 para 16% e que as crianças britânicas são menos felizes do que as de quase qualquer outro país desenvolvido.

Crianças de lares desestruturados, têm 50% mais probabilidades de sofrer problemas na escola ou ficar deprimidas

Bob Reitemeier, diretor-executivo da The Children’s Society, disse que o relatório foi um alerta e que “a busca agressiva dos adultos por sucesso individual hoje é a maior ameaça para nossos filhos“.

Ele diz que o único tema comum que ligou todos os problemas enfrentados pelas crianças era o “individualismo excessivo”, que havia preenchido o vácuo criado pelo declínio da crença religiosa e do espírito da comunidade.

Os adultos acreditam que o principal dever do indivíduo é aproveitar ao máximo sua própria vida, ao invés de contribuir para a vida dos outros, acrescentou Bob Reitemeier na entrevista ao Jornal Daily Mail.

Este estudo da The Children’s Society vem de encontro a obra de Sue Gerhardt. Ela diz que houve uma ótima motivação para ser bons consumidores. Fomos incentivados a ser gananciosos e a gastar dinheiro que não tivemos.

Se todos na nossa volta estão se comportando egoisticamente, se a nossa cultura e a sociedade nos dizem que esta é a norma, pode ser difícil não se juntar. É quase como se pensarmos que é bom substituir nossos sentimentos e apenas trabalhar, trabalhar, trabalhar, consumir, consumir e consumir.

 

Uma sociedade materialista e desestruturada

dinheiro-muito-tio-patinhas-banho

A psicoterapeuta Sue acredita que as consequências afetam a todos nós. As proporções podem ser diferentes nas diferentes classes sociais: para os grupos socioeconômicos mais pobres, pode resultar em envolvimento com drogas e violência, enquanto que para os ricos é mais provável que resulte em ser apanhado em consumo excessivo ou negócios financeiros fraudulentos.

Os mais céticos acusaram Gerhardt de ter uma visão idealista. Mas, como mostram inúmeros estudos, somos mais ricos que nos últimos 50 anos, contudo, não houve aumento correspondente da felicidade.

A depressão está aumentando e espera-se que seja a segunda condição mais incapacitante do mundo até 2020, por trás da doença cardíaca. A ansiedade e o estresse crônicos também estão aumentando consideravelmente.

Nos acostumamos a ouvir que vivemos numa “sociedade desestruturada“. E certamente estamos vivendo em uma economia quebrada. Nós tendemos a culpar os políticos por tudo o que está errado. Eles tendem a culpar uns aos outros. Mas apontar o dedo para outro lugar é a opção fácil.

Gerhardt acredita que é a cultura emocional coletiva e profundamente enraizada é que levou à quebra em nossa sociedade.

Como reverter esse quadro da sociedade materialista?

a importância da presença dos pais

Sue acredita que a única maneira de reverter essa tendência é mudar a forma como pensamos. E isso é bem mais fácil dizer do que fazer. Porque é mais fácil perceber o comportamento egoísta e as falhas em outras pessoas do que reconhecer em nós mesmos.

Nós também, de acordo com Gerhardt, precisamos reavaliar fundamentalmente a maneira como criamos crianças e realmente há necessidade de que as mães e/ou os pais fiquem em casa durante os anos de formação de uma criança.

Há uma manifestação cada vez mais comum e preocupante da paternidade que é a combinação de indulgência material com negligência emocional em todas as classes sociais”, diz ela.

Alguns pais que se dedicam aos bebês e orgulham-se da aparência de seus filhos com correntes de ouro e pulseiras ou roupas de griff. Parece que ainda não reconheceram a necessidade de atenção pessoal aos seus bebês.

Para esses pais, argumenta Gerhardt, o amor é mais facilmente expresso através da compra de coisas ao invés de dar seu tempo. Mas, como ela diz, uma criança não nasce querendo uma camiseta Gucci.

Nasce uma criança que quer amor, atenção, segurança e limites.

Outros pais, talvez desconfortáveis ​​lidando com o conflito, tentarão suavizar as coisas com os itens materiais. Mas uma conseqüência de um banho presentes para as crianças é que eles crescem acreditando que os presentes resolvem todos os problemas.

Também resultou em um fenômeno crescente de negligência emocional entre as crianças em meio à abundância material. Estar equipado com segurança emocional e boas habilidades sociais pode ser uma receita muito melhor para uma vida feliz, significativa e gratificante.

Para tentar criar uma sociedade melhor, Sue acredita que seja necessário horas de trabalho mais flexíveis, o acesso à psicoterapia pai-bebê e um salário-maternidade digno para a mãe pudesse ficar em casa pelos dois anos, a fim de criar seus filhos. Só assim as mães conseguiriam dedicar sua atenção e concentração para as crianças como um trabalho real.

 

Gerhardt acredita que os dois primeiros anos da vida de uma criança são extremamente importantes para determinar o tipo de adulto em que ele crescerá.

mae em casa com as crianças

Ela também acredita que os bebês prosperam durante este período se forem criados em um relacionamento responsivo, amoroso e consistente de um a um, de preferência com sua mãe, ao invés de cuidados infantis irregulares freqüentemente oferecidos aos pais trabalhando sobrecarregados.

A psicoterapeuta diz que ter tempo de qualidade para investir nos primeiros anos muito mais importante do que se esforçar para ter uma casa maior ou entrar na melhor escola.

Se não mudarmos a maneira como criamos as crianças, desde o momento em que nasceram, então ficaremos deprimidos e em dívida.

Gerhardt não tem dúvidas de que uma sociedade mais consciente e menos egoísta seria mais saudável e feliz. “A verdadeira felicidade e significado na vida vem principalmente através dos relacionamentos“, diz ela.

“Há muitas pessoas muito carinhosas lá fora, pessoas que apoiam instituições de caridade, se voluntariam e ajudam seus vizinhos. As pessoas fazem essas coisas não só porque valem a pena fazer! Porque também ser parte dessa mentalidade atenciosa, dá-lhe auto-respeito.

“Isso” eu vou cuidar de mim mesmo e conseguir o que posso conseguir “. Essa mentalidade tende a deixar um sabor desagradável na boca. Não é gratificante. No Ocidente, adquirimos tanta coisa, mas não conseguiu fazer as pessoas se sentir bem dentro. Pelo contrário, nos tornou cada vez mais deprimido.

Texto original de Lorna Martin para o Daily Mail Online, o texto foi traduzido e adaptado.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *