Saiba são os medos na infância e como lidar com eles

De tempos em tempo a criança acaba experimentando o medo. À medida que as crianças começam a explorar o mundo ao seu redor, têm novas experiências e enfrentam novos desafios. Sentir medo e ansiedade é quase uma parte inevitável do seu crescimento. Saiba quais os medos na infância e como lidar com eles:

Os medos na infância são comuns

De acordo com um estudo, 43% das crianças entre 6 e 12 anos apresentaram muitos medos e preocupações. Fonte: Healthy Children. O medo da escuridão ou de ser deixado sozinho no escuro, é um dos medos mais comuns nesta faixa etária.

Outros medos na infância:

  • Medo de animais, como cachorros;
  • Medo de incêndios,
  • Medo de lugares altos;
  • Medo de tempestades.

Outros, tem o reflexo direto do que as crianças e/ou os pais assistem nos noticiários. Elas estão se preocupando com assaltantes, sequestradores ou guerra nuclear. Se houve uma doença séria recente ou a morte na família, eles podem ficar preocupados com a saúde daqueles ao seu redor.

A medida que eles crescem a tendência é que os medos diminuem até cessar. Os medos na infância normalmente são de intensidade leve, mas, mesmo quando se intensificam, geralmente diminuem sozinhos depois de um tempo.

Sobre as fobias na infância

crianca-medo-pesadelo-fantasma

Às vezes, os medos podem tornar-se tão extremos, persistentes e focados que se tornam fobias. As fobias – que são medos fortes e irracionais – podem se tornar persistentes e debilitantes, influenciando significativamente e interferindo nas atividades cotidianas usuais da criança.

Por exemplo: se aos 6 anos a criança desenvolve fobia de cães, pode se tornar um pânico a ponta da criança se recusar sair ao ar livre porque pode haver um cachorro lá. Uma criança de 10 anos pode ficar tão aterrorizada com as notícias de um assassino em série que ele insiste em dormir com seus pais à noite.

Algumas crianças dessa deixa etária desenvolvem fobias sobre as pessoas que conhecem em suas vidas cotidianas. Essa timidez severa pode evitar que eles façam amigos na escola e se relacionem com a maioria dos adultos, especialmente estranhos.

Eles podem conscientemente evitar situações sociais como festas de aniversário ou reuniões de escoteiros, e muitas vezes eles acham difícil conversar confortavelmente com qualquer pessoa exceto sua família imediata.

A ansiedade de separação também é comum nesta faixa etária. Às vezes, esse medo pode se intensificar quando a família se muda para uma nova vizinhança ou as crianças são colocadas em um ambiente de cuidados infantis onde eles se sentem desconfortáveis.

São crianças que podem ter medo de ir à colônia de férias ou até mesmo de ir à escola. Suas fobias podem causar sintomas físicos como dores de cabeça ou dores de estômago e, eventualmente, levar as crianças a se retirarem em seu próprio mundo, tornando-se clinicamente deprimidas.

Por volta dos 6 ou 7 anos, à medida que as crianças desenvolvem uma compreensão sobre a morte, pode surgir outro medo. Com o reconhecimento de que a morte eventualmente afetará a todos, e que é permanente e irreversível, a preocupação normal com a possível morte de membros da família – ou mesmo sua própria morte – pode se intensificar.

Tratando os medos na infância e as fobias

medos na infância

Felizmente, a maioria das fobias é bastante tratável. Em geral, eles não são um sinal de doença mental séria que requer muitos meses ou anos de terapia. No entanto, se as ansiedades do seu filho persistirem e interferirem com a alegria da vida cotidiana, ela pode se beneficiar de alguma ajuda profissional de um psiquiatra ou psicólogo especializado no tratamento de fobias.

Como parte do plano de tratamento para fobias, muitos terapeutas sugerem que exponha seu filho à origem de sua ansiedade em pequenas doses não ameaçadoras. Sob a orientação de um terapeuta, uma criança que tem medo de cães pode começar por falar sobre esse medo e olhando fotografias ou uma fita de vídeo de cães. Em seguida, ela pode observar um cachorro vivo por trás da segurança de uma janela.

Então, com um pai ou um terapeuta ao seu lado, ela pode passar alguns minutos na mesma sala com um cachorro amável e gentil. Eventualmente, ela vai encontrar-se capaz de acariciar o cão, depois se expor a situações com cães maiores e desconhecidos.

Este processo gradual é chamado de dessensibilização, o que significa que seu filho se tornará um pouco menos sensível à fonte de seu medo cada vez que ela o confrontar. Em última análise, a criança não sentirá mais a necessidade de evitar a situação que tem sido a base de sua fobia. Embora esse processo seja de senso comum e fácil de executar, ele deve ser feito apenas sob a supervisão de um profissional.

A psicoterapia também pode ajudar as crianças a se tornarem mais seguras e menos temíveis.

Exercícios de respiração e relaxamento podem ajudar as crianças em circunstâncias estressantes também. Ocasionalmente, o médico do seu filho pode recomendar medicamentos como um componente do programa de tratamento, embora nunca como a única ferramenta terapêutica. Esses medicamentos podem incluir antidepressivos, que são projetados para aliviar a ansiedade e o pânico que muitas vezes dependem desses problemas.

O que os pais podem fazer

superando os medos na infancia

Aqui estão algumas sugestões que muitos pais acham úteis para seus filhos com medos na infância e fobias.

  • Fale com seu filho sobre suas ansiedades e seja simpático.
  • Explique a ele que muitas crianças têm medos, mas com seu apoio ele pode aprender a colocá-las atrás dele.
  • Não deprecie nem ridicularize os medos do seu filho, principalmente na frente de seus amigos.
  • Aceite o medo dele como uma verdade e que dependendo você precisa tomar uma postura com relação a ele;
  • Não tente coagir seu filho a ser corajoso. Vai levar tempo para enfrentar e superar gradualmente suas ansiedades.
  • Quando você sentir que ele está pronto: Encoraje-o – sem forçar – a enfrentar seu medo.

Uma vez que os medos são uma parte normal da vida e muitas vezes são uma resposta a uma ameaça real ou pelo menos percebida no ambiente da criança. Os pais devem ser tranquilizadores e solidários.

Converse com seus filhos, os pais devem reconhecer, embora não aumentar ou reforçar, as preocupações de seus filhos.

Indique o que já está sendo feito para proteger a criança. Envolva a criança na identificação de etapas adicionais que podem ser tomadas.

Essa educação simples, sensível e direta pode resolver ou pelo menos gerir a maioria dos medos de infância. Quando as garantias realistas não são bem-sucedidas, o medo da criança pode se tornar uma fobia.

 

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *