Intolerância a Lactose

A lactose é um dissacarídeo (açúcar) do leite composto por dois monossacarídeos: glicose e galactose. Após o desmame, há um declínio gradual da atividade da lactase na mucosa do intestino, resultando na hipolactasia primária do adulto. A lactase é uma enzima que quebra a lactose em monossacarídeos para que possa ser absorvido. O declínio dos níveis de lactase é progressivo durante a infância e a adolescência, havendo um aumento nas taxas de má-absorção de acordo com a idade.

Como surge a intolerância a lactose?

menino tomando leite

A hipolactasia também pode surgir através de doenças que causem algum dano na borda em escova do intestino ou que aumentem o tempo do trânsito intestinal, como exemplo nas enterites infecciosas, giardíase, doença celíaca, doenças inflamatórias intestinais (especialmente doença de Crohn), conhecida como hipolastasia secundária.  Diferentemente da hipolactasia primária do adulto, a hipolactasia secundária é transitória e reversível.

Existe ainda a intolerância a lactose congênita, que é herdada e autossômica recessiva, sendo uma condição extremamente grave. Geralmente diagnosticada já na primeira infância, e se não feito precocemente, pode levar ao óbito. A diferença entre a hipolactasia primária do adulto e a intolerância a lactose congênita é molecular: na primeira a enizma lactase é normal, mas diminui a expressão ao longo da vida; na segunda a enzima lactase está ausente ou é truncada.

Quais são os sintomas da intolerância a lactose?

intolerância a lactose

A intolerância a lactose é caracterizada pelo aparecimento dos sintomas abdominais causados pela hipolactasia. A má absorção nem sempre causa sintomas, e eles são: dor abdominal, sensação de inchaço do abdômen, aumento do trânsito intestinal resultando em fezes amolecidas e diarreia, náuseas, flatulência, e em alguns casos até vômitos.

Acredita-se que a intolerância pode levar ao aparecimento de sintomas sistêmicos como dores de cabeça, vertigens, perda de concentração, dificuldade de memória a curto prazo, dores musculares, fadiga. Nesse caso, porém, é preciso avaliar se esses sintomas decorrem da intolerância, já que são sintomas coincidentes  a APLV (alergia a proteína do leite de vaca).

Qual o tratamento adequado?

intolerância a lactose

O tratamento inicial é a retirada do leite e seus derivados da alimentação para remissão dos sintomas. Uma tarefa nem sempre fácil pela necessidade de observar os rótulos dos alimentos que podem ser elaborados com algum produto lácteos na composição.2224

Com a melhora dos sintomas, pode-se fazer testes com quantidade de alimentos diários, para analisar qual a quantidade cada individuo pode comer desses alimentos. Existe ainda a terapia de reposição enzimática, que são os preparados comerciais a base de lactase que devem ser consumidos juntamente com a refeição que contenha leite e derivados, afim de que se diminua os sintomas.

A adição dessas enzimas nos produtos lácteos – os chamados “sem lactose” tem o mesmo efeito. Nesse caso, nem sempre a quantidade de enzima é a necessária para que o sintoma não apareça, sendo muito individualizada sua prescrição.

Existe ainda os próbioticos contendo lactase que teriam o potencial de auxiliar na digestão da lactose em indivíduos intolerantes, no entanto, estudos que avaliaram seu benefício apresentam resultados discordantes.

Referências:

Mattar, R.; Mazo, D. F de C. Intolerância a lactose: mudanças de paradigmas com a biologia molecular. Revista de Associação Médica Brasileira 2010; 56(2): 230-6.

Salomão, N. A.; Silva, T. A.; Geraldes, A. A. R.; Lima-Silva, A. E. Ingestão de cálcio e densidade mineral óssea em mulheres adultas intolerantes à lactose. Revista de Nutrição, Campinas, 25(5): 587-595, set./out., 2012.

Uma opção para substituição do leite animal,são os leites vegetais:

leite-vegetal

Receita de leite vegetal com castanhas

  • 1 xícara de castanha do pará, ou castanha de cajú ou amendôas (deixar de molho em água por 8 horas)
  • 2 a 4 xícaras de água (o rendimento do leite varia conforme a quantidade de água colocada, vai depender do gosto de cada um, se quiser mais ou menos concentrado).

Modo de preparo:

  • Deixar as oleaginosas de molho por 8 horas na geladeira, e desperdiçar o remolho. Bater no liquidificados com 2 a 4 xícaras de água.
  • Coar com um pano ou coador de café de pano.
  • Deixar na geladeira por 5 dias (pode ser congelado)
  • O resíduo do leite vegetal pode ser utilizado como farinha nas receitas, bem como pode bater no liquidificador com um pouco do leite e temperar com azeite de oliva e temperos em pó (paprica, curry, pimenta, cominho). Caso prefira pode apenas bater com um pouco do leite e deixar com sabor ameno para usar tanto com doce como para salgado. Pode ser congelado.

Receita de leite vegetal com coco

  • 1 xícara de coco
  • 2 a 4 xícaras de água. O rendimento do leite varia conforme a quantidade de água colocada, vai depender do gosto de cada um, se quiser mais ou menos concentrado.

Modo de preparo:

  • Bater no liquidificados com 2 a 4 xícaras de água.
  • Coar com um pano ou coador de café de pano.
  • Deixar na geladeira por 5 dias (pode ser congelado)
  • O resíduo do leite vegetal de coco pode ser utilizado como farinha nas receitas e ele combina com mais receitas doces. Pode ser congelado.

Receita de leite vegetal com arroz

  • 1 xícara de arroz
  • 2 a 4 xícaras de água (o rendimento do leite varia conforme a quantidade de água colocada, vai depender do gosto de cada um, se quiser mais ou menos concentrado).

Modo de preparo:

  • Cozinhar o arroz em 3 xícaras de água por apenas 10 minutos. Escorrer a água que sobra do cozimento.
  • Bater no liquidificados com 2 a 4 xícaras de água.
  • Coar com um pano ou coador de café de pano.
  • Deixar na geladeira por 5 dias (pode ser congelado)

 

Nutricionista para mamães e bebês
Amante de uma boa viagem, daquelas que quando tiver filho, já vai fazer o passaporte dele.




Comente