Gritar com os filhos: 5 Efeitos negativos a longo prazo

Queremos o que é melhor para nossos filhos, isso é um fato. Infelizmente, muitas vezes não sabemos nos expressar. Principalmente quando eles tem atitudes de mal comportamento é comum gritar com os filhos. Seja pai ou mãe, isso pode trazer consequências psicológicas para a criança. É por isso que muitos pais lutam com as escolhas que fazem. Somos humanos, afinal, nossa natureza nos faz errar muitas vezes.

É normal ficar frustrado com seus filhos, especialmente se eles estão se comportando mal. Mas a maneira como você expressa essa frustração e lida com a situação pode ter grandes implicações no desenvolvimento da personalidade e na saúde a longo prazo.

De fato, as medidas severas de disciplina dos pais, como gritar com os filhos, podem ter um impacto ainda maior nas crianças do que se acreditava anteriormente.

Continue lendo para saber o que os estudos clínicos descobriram sobre os efeitos negativos, a longo prazo, que gritar com os filhos causam:

1. Gritar faz com que os problemas de comportamento dos filhos piorem

Você pode pensar que gritar com seus filhos pode resolver um problema no momento ou pode impedir que eles se comportem mal no futuro. Mas pesquisas mostram que ele poderia realmente criar mais problemas a longo prazo. Gritar pode realmente tornar o comportamento do seu filho ainda pior. O que significa que você tem que gritar mais para tentar corrigi-lo. E o ciclo continua.

Um estudo sobre relações pai-filho mostrou que este é o caso em muitas famílias. No estudo, os jovens de 13 anos que ouviram gritos de seus pais reagiram aumentando seus níveis de mau comportamento ao longo do ano seguinte.

E se você acha que importa qual pai está tomando a atitude disciplinar, não. Outro estudo descobriu que não há diferença se a disciplina áspera vem do pai ou da mãe. O resultado é o mesmo: os problemas comportamentais pioram.

2. Gritar com os filhos muda a forma como o cérebro se desenvolve

Gritar com os filhos e outras técnicas ásperas utilizadas pelos pais podem mudar literalmente a forma como o cérebro do seu filho se desenvolve. Isso ocorre porque os seres humanos processam informações e eventos negativos de forma mais rápida e completa do que os bons.

Um estudo comparou as varreduras de ressonância magnética no cérebro de pessoas que tiveram um histórico de abuso verbal por parte dos pais na infância comparando-as com varreduras de pessoas que não tinham história de abuso. Eles encontraram uma diferença física notável nas partes do cérebro responsáveis ​​pelo processamento de sons e linguagem.

3. Gritar com os filhos pode levar à depressão

gritar com os filhos pode causar depressão

Além das crianças se sentirem assustadas ou tristes quando seus pais gritam com elas, o abuso verbal tem a capacidade de causar problemas psicológicos mais profundos que levam à idade adulta.

No estudo que acompanhou os problemas comportamentais crescentes de crianças de 13 anos, que foram criados aos gritos. Os pesquisadores também encontraram um aumento nos sintomas depressivos.

Muitos outros estudos também mostram uma conexão entre abuso emocional e depressão ou ansiedade. Esses tipos de sintomas podem levar a um agravamento do comportamento e podem até se desenvolver em ações autodestrutivas, como o uso de drogas ou o aumento da atividade sexual de risco.

4. Gritar tem efeitos na saúde física

As experiências que crescemos nos formam de várias maneiras, algumas das quais talvez nem possamos perceber. O estresse na infância de um pai verbalmente abusivo pode aumentar o risco de uma criança de certos problemas de saúde como adulto. A pesquisa nos diz que enfrentar o estresse como uma criança pode ter impactos a longo prazo sobre a saúde física.

5. Gritar com os filhos pode causar dor crônica

Um estudo recente encontrou uma ligação entre as experiências de infância negativas, incluindo tipos de abuso verbais e outros, e o desenvolvimento posterior de condições crônicas dolorosas. As condições incluíram artrite, dores de cabeça, problemas nas costas e no pescoço e outras dores crônica.

Nunca é tarde demais para fazer uma mudança no seu comportamento como pais e/ou aprender algumas técnicas novas. Se você se notar gritando muito ou perder o seu temperamento, peça ajuda. Um terapeuta ou mesmo outro pai pode ajudá-lo a classificar alguns desses sentimentos e desenvolver um plano para lidar com eles de maneira mais saudável.

 

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *