Dormir de conchinha

Ahhh, como é bom isso, não é mesmo? Dos meus 5 anos até meus 18, dormia com minha mãe, na mesma cama, e sempre assim: de conchinha, me sentia protegida, ela esquentava os meus pés e era nosso momento. Lembrando disso outro dia… resolvi fazer o mesmo com meu filho!

Depois de tantas lutas internas contra a cama compartilhada, fiz diversas e mais diversas tentativas, de tudo que vocês podem imaginar. Resolvi deixar meu filho dormir comigo. Tem um pesar: ele se amontoa e me sufoca de noite. Mas tirando isso, quando eu fico abraçadinha com ele, cuidando do soninho dele, é demais de gostoso.

Hoje posso fazer isso, a cama é minha e dele. Só nós dois! O berço está do lado cama, coloco ele pra dormir primeiro no berço, mas de noite, lá pelas 2 da manhã, ele acorda e me chama, pego ele e coloco ele do meu ladinho, entre o berço e eu.

Ficamos ali dormindo e às vezes até resmungando. E de manhã é sempre uma festa que já começa cheio de deliciosos “mamães”… Logo ele já quer brincar de bola ou desenhar, haja pique pra acompanhar meu menino lindo. Acorda sempre com bom humor e tem sido uma benção acompanhar todo o crescimento e desenvolvimento dele, algo que somente Deus poderia ter provido mesmo.

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente