Ultrassom: Tudo o que você precisa saber

Quando a mulher está grávida e entra na rotina de exames de pré-natal faz parte o exame de ultrassom. Esse é um exame de imagem, na qual o médico poderá avaliar como está os batimentos cardíacos dos bebê, o desenvolvimento fetal e também avaliar o seu crescimento. É comum as mães chegarem na sala de exame com muita expectativas para saber o sexo do bebê o mais breve possível, pois quer montar o enxoval do bebê.

A ultrassonografia em mulheres grávidas não tem nenhum impacto para a saúde do bebê e nem para a da mulher. É um exame seguro. Podendo ser transvaginal, que necessita de um transdutor que será inserido na vagina da mulher para poder realizar o exame morfológico do primeiro trimestre de gravidez, ou então, abdominal e menos invasivo para a mãe.

O ultrassom de primeiro trimestre e a translucência nucal

ultrassom

No primeiro trimestre é comum que o ginecologista inclua na solicitação de exames que a ultrassonografia seja realizada com Translucência Nucal. Esse exame deve ser feito entre a 11° e a 13° semana de gestação. Necessariamente dentro desse período, pois é quando ainda é possível mensurar se há acúmulo de líquidos na nuca do bebê.

O fato de ter líquidos acumulados na nuca do bebê aumenta a estimativa do bebê ter uma alteração cromossômica, mal formações ou alguma síndrome genética. A translucência nucal não é um diagnósticos definitivo, apenas ressalta que isso pode ou não acontecer.

Uma das síndromes mais comuns que tem é a Síndrome de Down. Entre os fatores que contribuem para o aparecimento na ultrassom são a idade materna, histórico anterior da família de alterações cromossômicas também são importantes a serem consideradas. Para certeza absoluta certeza do diagnóstico de Síndrome de Down, é necessário fazer outros exames de estudo do bebê como o aminiocentese.

Além de também ser possível de realizar um exame morfológico para analisar o bebê como um todo: face, bexiga, coração, na tentativa de localizar possíveis má formações. Segundo doutor Rafaelli Roberto, ginecologista, cerca de 85% das más formações já são possíveis de serem vistas no exame morfológico do primeiro trimestre.

Esse exame irá a diagnosticar quando a gestação teve início, quantos sacos gestacionais existem (se é uma gravidez de múltiplos, por exemplo); possíveis sangramentos e até a estimativa da data provável do parto (DDP).

Exame morfológico do segundo trimestre

Esse exame acontece entre a 20° e a 24° semana de gestação. O objetivo é avaliar a anatomia e  crescimento fetal. analisar o cordão umbilical, saco amniótico e a placenta. Analisará o crescimento do bebê, se existe possibilidades de parto prematuro e também irá verificar como estão os fluxos sanguíneos do bebê, assim como o colo do útero e a placenta.

Ultrassonografia obstétrica

O parâmetro de análise desse exame será verificar a posição do bebê dentro da barriga da mãe, peso do bebê, como está a maturação da placenta, qual a quantidade de líquido amniótico, a frequência cardíaca do bebê, os seus movimentos do corpo e também da respiração.

Fonte: Guia do Bebê e Obstetra Online

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

4 thoughts on “Ultrassom: Tudo o que você precisa saber

  1. Roberta says:

    A TN da minha caçula deu hiper alterada, daí tive que fazer mais um trilhão de exames, TODOS comprovavam a sindrome de down, sofri durante semanas e minha filha nasceu PERFEITA, sem NENHUM traço da sindrome. hj se engravidasse novamente não faria a TN nem amarrada.

    • Karin says:

      Roberta,
      Realmente é incrível… não podemos dizer que a medicina nunca erra. Fico feliz em saber que há casos como o seu. Mas tenho certeza que se sua filha tivesse nascido com síndrome, você a amaria incondicionalmente e se doaria à ela de todo coração!

      Felicidades à família!
      Abs

      • Roberta says:

        Karin, realmente a amaria de forma incondicional. Na verdade a gestação não foi planejada e não aceitava bem a gestação até sair o resultado da TN. quando soube da TN caiu a ficha na hora e o instinto de proteção veio com TUDO. ainda assim hoje não faria novamente este exame. é besteira achar que alguem ‘se prepara’ para ter um filho deficiente e a dor da duvida durante meses não sei se vale a pena. Beijo

        • Karin says:

          Realmente Roberta, acho que a dor da dúvida é a pior… Infelizmente não temos como prever nada. Mas como disse antes, fico feliz em saber que sua filha nasceu saudável, não tem preço que pague o alívio de uma mãe!

          Tudo de bom pra você e sua família… Que Deus abençoe muito a sua pequena que ela cresce forte e muito saudável sempre!!!

          Beijos

Comente