Tristeza materna

Olá queridos leitores…

Esses últimos tempos estava lembrando da gravidez, do parto e principalmente do pós parto, como não foi fácil… e houve um tempo que a tristeza materna bateu na minha porta. Confesso que fiquei assustada e pensei que estava entrando em Depressão Pós-Parto, ainda não era isso, e no meu caso nem chegou lá!

Por isso adquirir conhecimento é a melhor maneira previnir, por isso resolvi compartilhar com vocês o que é a tristeza materna e os sintomas. Espero que as informações aqui apresentadas possa ajudar muitas mulheres, muitas amigas, muitas mamães!

A forma mais branda da depressão pós-parto é conhecida como baby blues, ou melancolia do pós-parto.
Surge, na maioria das vezes, até o quarto dia do nascimento do bebê e dura até no máximo uma semana, tendo sintomas parecidos com os da depressão pós-parto.

Mais de 80% das mulheres têm o baby blues que, diferente da depressão pós-parto, não é uma doença. A depressão pós-parto pode aparecer a partir da segunda ou terceira semana, mas na maioria das vezes, surge na sexta semana. Um baby blues muito intenso e longo demais pode ocasionar adiante uma depressão pós-parto mais grave.
Por isso é importante acompanhar todas as mulheres na primeira semana depois do nascimento do filho.

Casos mais drásticos são conhecidos como psicose puerperal (pós-parto). Os sintomas são mais radicais: a mãe sofre confusão mental, delírios, tem idéias esquizofrênicas.

Existem casos de mães que matam filhos depois do parto, mas as psicoses puerperais são muito raras – acontecem dois casos a cada mil nascimentos.

80% das mulheres são acometidas da tristeza materna

A Tristeza Materna (baby blues), por sua vez, acomete até 80% das mulheres, mas devido ao tabu mencionado pode se imaginar um índice até maior. É um estado de humor depressivo que costuma acontecer a partir da primeira semana depois do parto. É benigno pois regride por si só por volta do 1 mês.

Distinção entre DPP e Baby Blues

O que distingue a DPP da Tristeza Materna (baby blues, postpartum blues) é a gravidade do quadro e o que ele tem de incapacitante afetando a funcionalidade da mãe e pondo em risco seu bem estar e do bebê. Aparecem sintomas como irritabilidade, mudanças bruscas de humor, indisposição, doenças psicossomáticas, tristeza profunda, desinteresse pelas atividades do dia-a-dia, sensação de incapacidade de cuidar do bebê e desinteresse por ele, chegando ao extremo de pensamento suicidas e homicidas em relação ao bebê. O diagnóstico precoce é fundamental e para isso é necessário um acompanhamento em todo ciclo gravídico puerperal, sendo a melhor forma de evitar, atenuar ou reduzir a duração da DPP. Grupos de gestante têm caráter psicoprofilático e, portanto, ajudam no diagnóstico e tratamento precoce.

Existe um tabu em relação ao tema gestação e depressão, como se a mulher devesse estar radiante pelo nascimento de seu filho e ela fosse culpada de uma espécie de “ingratidão”. Algumas mulheres não conseguem admitir para si mesmas que merecem ajuda, escondendo dos cônjuges e da família seu estado. Além da evidente necessidade de cuidados da mulher, acima citados, a DPP é fator de risco para a saúde mental do bebê e, portanto, requer toda a nossa atenção.

  • Sintomas Baby Blues

. Primeiros dias após o parto
. Atinge de 50 a 80% das mulheres
· Lapsos curtos de memória
· Fadiga
· Ansiedade
· Inquietação
· Impaciência
· Irritabilidade
· Tristeza e choro sem nenhum motivo aparente
Resolve-se espontaneamente após alguns dias

  • Sintomas de DPP – DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Afeta 1 em 10 mulheres. Constatando-se a presença da maioria desses sintomas, é importante que se procure um profissional, ou que seja comunicado ao obstetra para que esse providencie o encaminhamento.
· Choro incontrolável
· Perda de memória
· Falta de interesse no bebê
· Irritação
· Insônia
· Sentimento de culpa
· Medo de machucar o bebê ou se machucar
· Fadiga
· Tristeza constante
· Alterações de humor exageradas
· Confusão
· Falta de concentração
· Distúrbios de sono ou apetite

Fonte: Colcha de Retalhos

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

5 thoughts on “Tristeza materna

  1. Ninon says:

    Ótimo post!!

    Conheço muitas mães que sofreram de DPP, sei o quanto é complicado. Importante você ter divulgado a diferença entre a DPP e o Baby Blues. Espero que ajude quem está precisando!!!
    Bjos!!!

  2. Lia Sergia Marcondes says:

    Tive das duas vezes. Felizmente, não durou muito. Na segunda vez foi mais tranquilo ainda, porque não era uma mãe solteira, tinha meu maridão dando carinho e apoio. Isso fez toda diferença.

    Ótimo post!

    Bjo!

  3. Estela Aoki says:

    Excelente post. Quando estava grávida também morria de medo de ter DPP. Graças a Deus deu tudo certo e hoje o Pedro já está com quase dois anos e lindo e forte.

    Aproveito para divulgar meu blog que sempre tem novidades quentinhas. Dê uma passadinha por lá.

    Beijo

    Estela Aoki

  4. Renata says:

    Muito bom esse post. Minha cunhada esta com DPP e eu estou gravida, vivendo o luto pela perda da minha mae e antenadissima nisso…o importante eh buscar ajuda cedo e nao subestimar os sintomas. Bjs

Comente