Síndrome Mão-pé-boca

bebe_pe

 

Eis que na semana passada, havia feito aquela programação legal com o filho, exposição de arte, teatro e sushi. Tinha combinado com ele uma sequência de fatos que antecederiam a parte divertida, que ia ser só a tarde. De manhã, ele iria cortar o cabelo, íamos no banco pagar algumas contas, almoçar e dormir. Quando eu acordasse ele, ia tomar banho para gente poder passear.

 

Ele estava super ansioso para ir ao teatro, tanto que queria pular todas as etapas, mas expliquei para ele que só nós fizemos tudo poderíamos ir. Antes do almoço, percebi que ele estava quentinho e um tanto caidinho, achei estranho e pensei que era mais um infecção que estava vindo. Pensei comigo, se medicar e não passar a febre, levaria ele no hospital no domingo.

 

Mediquei e ele dormiu. Fomos ao teatro e ele se divertiu muito. Várias risadas e adorou a peça. Quando terminou a peça, percebi que a febre tinha voltado e não teria como levá-lo comer sushi, porque eu tinha esquecido o remedinho em casa (porque eu achei que não ia dar mais febre!) e se fosse infecção, já estava entardecendo e ficando friozinho e pegar friagem não seria nada bom. Voltamos para casa e pedi aqui mesmo. Ele achou o máximo o moço entregar em casa!

 

A febre não apareceu no outro dia e não apareceu mais… Ufa!

 

Mas quando foi na terça-feira vi umas manchinhas vermelhas nos pés e nas mãos. Tinha algumas que era tipo feridinha mesmo. O pai tentou levar no pediatra, mas ela estava doente e só voltaria no dia seguinte. Agendamos para o outro dia e ela nos explicou do que se tratava:

 

Síndrome mão-pé-boca

 

As características da doença são basicamente febre, pontinhos vermelhos espalhados pelo pé, boca e mão. Algumas em uma intensidade maior e outras em menor grau. Costuma dar febre no primeiro dia e em até dois dias depois surgem as bolinhas vermelhas. É uma doença contagiosa provocada pelo vírus Coxsackie, mas não é grave. Demora cerca de 10 dias para ir embora completamente. Não precisa de exame auxiliar para detectar e também não precisa de nenhum remédio. Ela vem e vai embora a medida que o corpo combate o vírus. É natural a criança sentir coceiras e até pode ser aplicada uma pomadinha receitada pela pediatra para amenizar.

 

Particularmente, eu não conhecia essa doença. Fiquei feliz em saber que era uma doença simples e sem mais complicações. Mas com certeza a ida ao pediatra foi fundamental, até porque eu não tinha achado essa doença quando estava buscando pelos sintomas.

Agora está bem melhor, o último pontinho vermelho está cicatrizando. Não tirei fotos, porque além de poucas manchas que apareceram, eu não imaginei que viria a ser um post… hihi…

 

Beijos

Karin

 

Se você gostou deste post, talvez queira ler mais:

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente