Realidade

Quando paro para pensar nesse assunto, muitas vezes meu coração se aperta. É difícil achar um culpado, creio que não exista; são diversas situações e decisões que sucumbiu e o Brasil se tornou o que é hoje.

Não sei se vocês já leram ou ouviram falar do livro: “Guia politicamente incorreto do Brasil”, particularmente, gostei dele. Conta a história nua e crua, aquela que não é contada em sala de aula, desmistifica e desmascara muita coisa, ou seja, mostra a verdade.

E o Brasil é isso, tudo por debaixo dos tapetes, no “jeitinho”. Não é em vão que o brasileiro no exterior é muitas vezes reconhecido como malandro, infelizmente. E por quê? Porque deixamos acontecer! Ficamos esperando que o próximo governo resolva os problemas, e acabamos sempre elegendo os mesmos… Isso me dá coisas, diria o Dr. Chapatin.

Infelizmente existe tudo isso e muito mais, um dos lados que eu quase não ouço nos jornais é sobre a real desigualdade que existe nesse país. Conheci uma garçonete que ganha R$600,00, sendo que metade do salário vai para o aluguel, com R$150,00 ela paga a babá que cuida da filha dela e com que sobra “se vira nos 30” para comer, luz, roupa e etc.

É aí que eu digo que não tem como achar um culpado. Falta estrutura do governo para que mais pessoas tenham acesso à qualidade de ensino básico e de graduação, porque convenhamos se o ensino superior não for gratuito, como uma mulher nas condições da exemplificada acima, terá condições de pagar uma faculdade? Tenho certeza que ela é mais um caso entre milhões, mas claro que construir estruturas faraônicas para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas é muito mais importante que dar qualidade de ensino ao povo.

A culpa pode até ser dela e dos pais também, por que não? Afinal, cabe aos pais incentivarem seus filhos a estudarem e a dar asas à imaginação. E nessa ocasião, posso citar o filme “ A fantástica fábrica de chocolate”, o menino paupérrimo e sonhador com o apoio do seu avô nunca deixou que seus sonhos morressem, ao contrário incentivou o menino a correr atrás daquilo que ele acreditava.

Sonhar não paga nada e serve de motivação, combustível para seguir em frente e avançar. Adversidades, ricos e pobres, negros e brancos as enfrentam; o que importa é não deixar a vontade de vencer sucumbir pelo medo, ou seja, a vontade precisa prevalecer sobre ele.

Vivemos a realidade que temos, contudo nada pode parar nossa mente de criar e expandir, para isso hoje precisa ter graduação e muito mais, não basta mais somente o ensino médio, além disso, é preciso muita perseverança, rosto bonitinho não é garantia alguma de portas abertas, e o mais importante de tudo: saber administrar o que a vida lhe oferece, agarrar todas as oportunidades para que um dia os sonhos se tornem realidade, independente de governo ou de qualquer outra coisa. Aprenda a construir o seu próprio futuro.

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente