Quebrando paradigmas sobre o desenvolvimento da fala

A poucos dias recebi o contato de uma leitora do blog, a Lidiane, pedindo informações de como ajudar a filha dela a desenvolver a fala, prometi a ela que logo traria novidades sobre o assunto. A vocês, juro que estou quase terminando o livro: Filhos – Novas idéias sobre educação, mas de coração, um livro nunca tive um impacto desses, um efeito tão profundo, de ler e compartilhar quase todos os capítulos.

Quando ganhei o livro, o capítulo sobre o desenvolvimento da fala foi um dos que mais me chamou a atenção, como não consigo pular capítulos, não via a hora de chegar nele. Enfim, cheguei e aconteceu em mim, uma nova quebra de paradigmas!!!

Sabe aqueles DVDs do tipo Baby Einstein? (Desculpa citar nomes, mas não sei classificá-los), nós temos aqui em casa, embora meu filho nunca teve paciência para assisti-lo, confesso que fiquei decepcionada, mas por fim, resolvi não estimulá-lo a assistir tanta TV. Ok, voltando ao assunto… Nós, assim como muitos pais, adquirimos esse DVD afim de entretenimento e principalmente desenvolvimento, certo?! Ou será que eu fui a única a pensar assim??? Deixa eu contar uma novidade: eles não contribuem tanto quanto pensávamos, na realidade, eles poucos influenciam. Frustrante, não é???

Tudo bem se você quiser continuar acreditando que funciona, não tenho problema algum com isso, entretanto foram realizados vários estudos e no final das contas, nossos bebês preferem rostos, feições, gestos e expressões de pessoas, por isso que às vezes eles param para assistir novelas, desculpa o exemplo idiota, eles procuram verbalização, leitura labial, essas coisas!  O que infelizmente esses tipos de vídeos não oferecem a eles, sem contar que não há como interagir com a TV. Por favor, se seu filho gosta de assistir, é uma coisa, é entretenimento para ele, só estou dizendo que eles não vão ajudar no desenvolvimento cognitivo, ou seja, não espere essa função.

E daí os cientistas quebrando a cabeça, tentando achar respostas e técnicas para um melhor desenvolvimento cognitivo, e com seus testes e tudo mais descobriram coisas bem interessantes do tipo: quando os bebês apenas balbuciam é importante a mãe ou a cuidadora dedicar pelo menos 10 minutos diári os para o toque durante esse balbuciar. Sim, isso mesmo! Foi constado que durante esses 10 minutos que o bebê balbucia e você o toca, acaricia ou o beija resmunga mais coisas e mais complexas. Interessante, né?!

Outro estimulo interessante é de pegar um objeto e apertar, chacoalhar, mexer, virar falando o nome do objeto, além de chamar a atenção do bebê para associar o som ao objeto também está ensinando à fonética. Essa técnica tem mais eficiência para crianças com até 1 ano e 3 meses, depois eles simplesmente não dão mais bola.

A resposta dos pais ao que os filhos sinalizam – o que eles mostram com a boca, olhos e dedos – é de extrema importância, seja um telefone, bolacha, livro ou fruta, a criança sabe o que quer. Eu diria aos pais que é importante dar nome certo aos bois, assim a criança vai aprender a pedir pelo objeto com seu nome correto. Tem uma fase em que apenas uma pessoa falando, parece que a criança não aprende, nesse momento as avós e tios têm papel fundamental. A criança ao ouvir outras pessoas falando vai começar a associar o som e perceber que outros falam do mesmo objeto com a mesma fonética e dessa forma ela vai aprimorando seu desenvolvimento.

Vale ressaltar que independente da idade, todas as crianças precisam de um tempo para assimilar e memorizar o que aprenderam. Não adianta estimular 24h por dia, é preciso deixá-la resmungando sozinha, assim ela está se exercitando e fazendo novos movimentos com o maxilar e conseqüentemente estimulando a fala. Cada criança é única, e tem seu tempo de desenvolvimento, enquanto o pediatra falar que está tudo bem, não vejo porque se preocupar.

Aproveite para mostrar novos objetos e formas, quando seu filho demonstrar interesse por alguma coisa, por exemplo, uma bola: Diga bola, você quer a bola, ótimo, vamos pegar a bola, vamos chutar, ou simplesmente trazer a bola para você. Variar nosso vocabulário é fundamental, assim ele vai tendo um contato maior com a linguagem e também vai associando que trazer, pegar, chutar implicam em movimento. Tudo isso vai ajudar no acumulo de vocabulário e lá pelos 3 anos, quando normalmente a fala já está bem apurada, agüenta a ferinha falando pelos cotovelos, vai ser realmente uma delícia!

Beijos

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!
Comente