Porque levar o bebê ao pediatra

Oi meninas, navegando na grande rede, achei uma reportagem super interessante sobre motivos pelos quais devemos levar nossos tesouros ao pediatra, não apenas para sabermos o peso e o tamanho pra sairmos contando pra todo mundo… mas também para acompanhar o desenvolvimento psico-motor… segue o texto, espero que gostem!

Beijos,

Karin

Acompanhar o crescimento do bebê no primeiro ano de vida é fundamental

Você sabe quais são as três principais medidas para ganrantir a saúde do pequeno?

A cena é recorrente: mamãe e papai chegam ao consultório do pediatra loucos para saber se o bebê engordou e quantos centímetros cresceu. Toda essa ansiedade não é por acaso, já que acompanhar o desenvolvimento do bebê no primeiro ano de vida é primordial para garantir boa saúde.

A pediatra especialista em Neonatologia pela Sociedade Brasileira de Pediatria e em Nutrologia Pediátrica pela UNIFESP, Débora Manzione de Oliveira, explica as medidas que devem ser monitoradas. “No primeiro ano de vida, analisamos as três principais: peso, estatura e perímetro cefálico.”

Os bebês perdem até 10% do peso, dias após o nascimento e, até o décimo dia de vida, é normalmente recuperado. Depois dessa fase, o bebê deve ganhar entre 25 e 30 gramas por dia durante o primeiro trimestre, 20 a 25 gramas por dia no segundo trimestre, 15 a 20 gramas por dia no terceiro trimestre e 10 a 15 gramas por dia no quarto trimestre. “Normalmente no quarto mês a criança dobra o peso de nascimento, no primeiro ano triplica e com 2 anos quadriplica”, explica a pediatra.

Já em relação à estatura, no primeiro semestre, a criança cresce em média 2 a 3 centímetros por mês. No segundo semestre, cerca de 1 a 2 centímetros por mês. “No final do primeiro ano a estatura esperada é, em média, de 75 centímetros”, diz Débora.

Outra medida importante é o perímetro cefálico (PC), pois reflete o crescimento cerebral. Sua monitorização pode detectar precocemente patologias neurológicas que precisem de intervenção cirúrgica imediata. O PC aumenta de 1 a 1,5 centímetros por mês no primeiro semestre e de 0,5 a 1 centímetros por mês no segundo semestre. “Todas essas medidas devem ser realizadas mensalmente pelo pediatra e colocadas em um gráfico pondero-estatural, pois o mais importante é a curva obtida ao longo dos meses e não as medidas isoladas”, afirma a médica.

A velocidade de crescimento, a curva ponderal, o perímetro cefálico e a monitorização dos percentis dessas curvas é que podem alertar o pediatra para situações de risco. O estudo das curvas segue um padrão recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Sociedade Brasileira de Pediatria de acordo com o Centro norte-americano N.C.H.S. (Centro de Referênciade Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos da América).

Não podemos nos esquecer de que há curvas diferentes para meninos e meninas, já que o sexo é uma variável importante que modifica o crescimento, assim como o potencial genético da criança herdado dos pais.

De acordo com a pediatra, para o adequado crescimento e desenvolvimento durante o primeiro ano de vida dois pontos são fundamentais:

O primeiro é a alimentação. “o padrão ouro na nutrição infantil é o leite materno exclusivo até os seis meses de idade e a partir daí introduzir, gradativamente, outros alimentos, sem esquecer o aleitamento.”

O segundo é o vínculo dos pais com o pediatra. “As consultas freqüentes esclarecem as dúvidas e possibilitam a observação contínua da criança para detectar precocemente problemas que podem variar de um simples erro alimentar até uma patologia que necessite de intervenção medicamentosa”, conclui.

Fonte: Revista Sempre Materna

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente