Percepção materna

Quando nascem nossos filhos, dizem que nasce junto uma mãe, porém para algumas não acontece assim, e isso às vezes pode gerar frustração, podendo aquela mãe achar que é a única mãe a não se sentir realmente mãe.

Quero dizer para que fiquem tranqüilas, eu não sabia nem trocar uma fralda, não fiz aquele curso de gestante, não porque eu não queria fazer, eu queria! Mas na época tinha aquela gripo H1N1 e daí as gestantes eram aconselhadas a evitar aglomero de pessoas e portanto, a maternidade cancelou o curso.

Sem querer, nem sei como o nosso relógio biológico, ouvimos o bebê chorar de madrugada e aprendemos ao longo do tempo a reconhecer cada choro, ou não também. Ficamos com o sono mais leve e mais atentas a tudo e também aprendemos a discernir, se o bebê acabou de mamar, não é fome, pode ser que a fralda esteja incomodando entre outras coisas.

Aprendemos a conhecer os nossos filhos, a observar os mais simples sinais, eles podem nos indicar que eles estão saudáveis ou não. Eu costumo dizer e acredito nisso: que nossos filhos nos ensinam a sermos mães deles, cada filho tem seu jeitinho de se comunicar e nós vamos aprendendo isso à medida que eles crescem.

Felizmente ou infelizmente transferimos grande parte da educação que recebemos para eles também. Tentamos remodelar (normalmente) as partes “feias” e torná-las em algo que acreditamos que seja melhor. Foi assim com nossos pais e creio que não será diferente conosco.

Nossa percepção de mundo se torna diferente, amadurecemos, ficamos mais preocupadas, oramos mais, acreditamos e buscamos mais, trabalho e nos tornamos mais vivas, mais ferozes, mais capazes e muito mais altruístas após a maternidade, não é mesmo?

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente