Páscoa e os chocolates para as crianças

Com a chegada da Páscoa, é natural pensar em dar chocolate para as crianças. Parece o mais óbvio que todos querem agradar a criança. Por isso, essa data me causava calafrios quando os nossos filhos tinham menos de dois anos. Isso porque sempre tentei preservar eles dessas influências gostosas. Acreditamos que para tudo existe uma hora certa, inclusive para os chocolates.

Quando conhecemos a teoria dos mil dias temos mais a plena certeza de que devemos cuidar com o que comemos durante a gravidez. No site da Danone, eles explicam que “durante a gravidez, o organismo materno começa a se preparar para o nascimento do bebê e para a amamentação. Nesse período, há a expansão de líquidos e do volume sanguíneo, além do crescimento do útero e das mamas e aumento dos depósitos de gordura. Essas modificações acontecem para suprir as necessidades de mãe e filho. Logo, uma gestante com hábitos saudáveis pode fornecer melhores condições para a jornada dos primeiros 1000 dias da criança.”

Desde a gravidez a criança já começa a ter influência sobre o seu paladar. Quem nunca ouviu alguém dizer, “gosto disso porque minha mãe comia na gravidez ou vice e versa”. Partindo desse pressuposto, a criança tem o contato com o leite materno, que é influenciado diretamente pela alimentação da mãe.

Antigamente acreditava-se que as doenças crônicas como diabetes, hipertensão, obesidade começavam apenas na fase adulta. Hoje, existem estudos que comprovam que na verdade inicia-se na vida uterina.

Nos primeiros dois anos estaremos ditando como será a estrutura corporal, como serão os hábitos alimentares e até mesmo como será a saúde deles. Portanto precisamos incentivar positivamente eles nesse período crucial. Ensinar a comer legumes e verduras, aprender a comer comida de verdade, porque as besteiras eles irão comer sim. Mas não precisa ser nessa fase.

Primeira páscoa

A primeira Páscoa, tanto do Cauê quanto da Catarina eles ganharam chocolates dos tios e até dos avós. Quem acabou comendo os doces foram os pais, claro! Na Páscoa seguinte do Cauê, disse o que ele poderia ganhar na cesta da vovó, e ele ganhou chocolates novamente e nós comemos. Porém como ele já tinha dois anos, oferecemos aquele chocolate 70% cacau e esse ele gostou durante muito tempo. Depois que ele conheceu o chocolate convencional aprendeu a gostar do “normal”, mas não é muito chegado.

A Catarina, já foi mais difícil de não deixar experimentar antes. Até por influência do irmão, da vida social mais ativa (mais festas infantis), conseguimos manter ela longe do doce até 1 ano e 11 meses. Ela conheceu o brigadeiro. A mãe aqui, ama brigadeiro! E na gravidez eu comi algumas vezes. Advinha??? A menina é apaixonada por eles também.

Páscoa e o chocolate para crianças

 

Chocolate para criança

A recomendação dos especialistas é que não seja oferecido antes dos três anos pois “o chocolate contém substâncias que podem desenvolver um quadro alérgico, sem contar que é um alimento com oxalato de cálcio, uma substância que pode vir a causar o aparecimento de cálculo renal no organismo”. Portal Terra

Além disso, quando oferecer, devemos ter a precaução de não ser todos os dias. Dar uma camuflada na geladeira para que eles não vejam os chocolates. Sabe que esses dias a Catarina pediu chocolate, achei tão engraçado. Porque era uma coisa totalmente atípica.

Nessa Páscoa, não sei como vai ser com relação aos outros. Para o Cauê vamos preparar com chocolates e com um ovo Surpresa da Nestlé, porque vem com coleção de dinossauros. Para a Catarina, vai ser uma cesta com coelho e alguns poucos chocolates. Estou pensando em embalar os Kinder Ovos em um papel diferente e colorido para colocar na cestinha deles. Com certeza vai ter Stories e fotinhos no Instagram, acompanhe nossa rotina por lá! ?

 

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *