O bom e velho porquinho

Quem já teve um desses cofrinho? Eu não sei vocês, mas eu tive e saia catando as moedas pela casa, ficava com o troco da padaria, mercado e verdureira, as moedas não voltavam pra minha mãe, não!

Fato é que nessas economias até os tios e meu avô me ajudavam dando as moedinhas deles e foi assim, com moedinhas que adquiri meu primeiro rádio. Não era lá aquelas coisas, era só K7, porém eu tinha comprado com o meu próprio dinheiro, e qual criança não ficaria orgulhosa, hein? Bom, depois disso eu economizei e realizei um pequeno sonho, que era ir pro Rio Grande do Sul. Simples né!

Estou contando tudo isso pra dizer que acho legal quando os pais e familiares incentivam seus filhos a economizarem para conquistar, a aprenderem a administrar seu dinheiro, não importa quanto ele seja.

Agora como mãe as moedas tornam uma certa preocupação. Ou vai me dizer que nunca ficou preocupada que seus filhos as engolissem? Eu pelo menos fiquei, escondia e afastava sempre da vista dele. Até que certo dia minha mãe trouxe pra ele um cofrinho e desde então ele foi apresentado as moedas e ao seu lugar secreto, dessa forma ele aprendeu onde deve guardar as moedas, aliás, ele é muito organizado.

Isso é realmente maravilhoso para  mim, posso ficar mais tranquila porque quando ele acha uma moeda me chama para que eu alcance o cofrinho para ele guardar. Outro lado positivo é que desde pequeno ele aprende a economizar, mesmo que seja por tabela.

E vocês, já tentaram isso com seus filhos? Como fizeram para lidar com as moedas em suas casas?

Beijos

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

2 thoughts on “O bom e velho porquinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *