Minha geração…

Domingo de nostalgia… na casa de uma prima começamos a discutir e lembrar de coisas que fizeram parte da nossa infância: Fita k7 + caneta, fitas de vídeo game que tinhamos que assoprar, internet discada e sábado era o dia que ninguém podia usar o telefone em casa… Essas e tantas outras coisas que crescemos e fomos vendo a evolução da tecnologia de modo absurdo.

Não faz tanto tempo assim que tudo isso era parte real das nossas vidas e provavelmente nossos filhos pouco conseguiram compreender como nós conseguiamos viver sem internet disponível em todos os lugares! Computadores “gigantes” e fixos. Sem redes sociais… “Como as pessoas se comunicavam? Como faziam amigos?”.

Eu cresci no interior, brinquei com barro, cai na geada, tinha horta em casa e comia os vegetais que plantávamos… Meu filho entra em qualquer estacionamento e já diz que é mercado e o que precisa comprar pra casa!

Somos de gerações diferentes. A minha geração vai ser a primeira a saber o que é envelhecer com tanta tecnologia. Será que no futuro estaremos publicando no Facebook sobre nossas dentaduras e uma nova fita adesiva? hahaha… Os nossos filhos crescem nesse meio e será a coisa mais natural estarem conectados com as tecnologias. Meu filho nunca tinha visto um iPad na vida, e na primeira vez sentou e colocou no colo, deslizou e deslizou o dedo na tela até achar uma formiga e começou  a brincar sozinho, sem ninguém ter ensinado à ele.

Mas confesso que será muito interessante passear num museu daqui há uns 13 anos e mostrar coisas que pra nós eram tão normais e pra eles serão tão exquisito… ou vai me dizer que você nunca achou o ferro de passar à brasa estranho?

 

Hahaha… beijos

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente