Maternidade Real – Blogagem coletiva

Resolvi aceitar o desafio de fazer um post sobre o que é ser mãe, não na teoria, mas na prática. Então… aí vai!

Eu sou a melhor mãe que posso ser!

Acho que não há uma mãe na face da terra que não vai me dizer que já tentou ser perfeita. Aceitou as opiniões das avós, das tias, das vizinhas, tudoooo pra agradar e tentar acertar! Já ficou horas e horas lendo sobre cólicas, amamentação, papinhas, assaduras, dentes, etc etc etc.

Mas existe um fato: NÃO SOU PERFEITA!

Acho que reconhecer isso torna o fardo mais leve. Assim sei que posso errar, não há problemas. Sei que reconhecer os meus erros vai fazer meu filho entender que ele também pode errar.

Claro qu sonhei, idealizei diversas vezes como ser uma mãe. A melhor maneira de corrigir, de ensinar, de brincar. Nada como as coisas acontecerem pra saber como se comportar, quantas saias justas. “O que fazer?” me pergunto.

Ontem mesmo meu filho me mordeu. PQP que dor… sou humana, gritei de dor, ele me olhou assustado, na hora minha vontade foi de dar uns tabefes… NÃO FIZ! Só olhei pra ele e disse: “você mordeu a mamãe, tá doendo! Agora tem que dar beijinho!”.

Ele me olhou com uma carinha de pena, me deu beijinho, mas continuava doendo… pedi outro beijinho e mais outro… ele me deu três beijinhos pra passar a dor!

Me derreti!!!

Ser mãe é super complicado. Eu acho! Entretanto não tem nada mais gratificante! Vá entender!

Tenho lido tantos livros sobre educação de filhos, tenho certeza absoluta que isso é com que mais me preocupo. Um livro que ajudou bastante a abrir mais minha mente sobre como educar meu filho foi Maria, a maior educadora da história do Augusto Cury.

Uma coisa que aprendi com a leitura: “Bons pais procuram dar o mundo exterior para seus filhos, pais brilhantes procuram dar seu próprio mundo para eles” A. Cury, mostrar quem somos pros nossos filhos não é fácil, mas de que adianta falar sendo que o que eles fazem é se espelhar em nós e seguir as nossas atitudes? Não adianta se esconder.

Não existe fórmula e nem mágica pra nos tornar os melhores pais, mas vale todo o esforço e dedicação para torná-los pessoas melhores, não campeões em tudo. Melhores pessoas com o outro, com o meio ambiente, com os animais, com os professores e principalmente consigo mesmos.

Não sei se conseguem entender o que eu penso, mas no fundo, só quero que ele ame a melhor mãe que posso ser!

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!
Comente