A mãe que não amamenta

Na semana mundial de incentivo à amamentação, eu quero me colocar em um lugar que não estive: o da mãe que não amamenta. São campanhas e mais campanhas falando sobre a amamentação e mesmo aqui no blog, falo muito sobre a importância de amamentar. Mas eu resolvi olhar por outro ângulo. Se o meu filho não conseguisse ter sido amamentado, como estaria minha cabeça?

Eu sempre quis muito amamentar, muito mesmo. Nunca passou na minha cabeça a ideia de que eu poderia não conseguir, por N fatores. A minha expectativa era realmente alta com relação a isso. Eu acreditava que ele nasceria sabendo mamar no meu peito.

Lembro quando fui no banco de leite para ver se meu filho estava mamando corretamente e tinha uma mulher com o peito enorme, empedrado e com febre. Como ela estava sofrendo. Havia a dor física de fato no peito, a dor gerada pelo bebê que tentava mamar mesmo assim e a dor emocional de ver o filho chorando de fome, o peito estufado demais para que ele conseguisse se alimentar.

A mãe que não amamenta sofre com as críticas

Eu posso até estar errada, mas a mãe que não amamenta muitas vezes sofre com as pressões externas. A sociedade espera que ela seja a pessoa que irá suprir as necessidades nutricionais da criança. Até por isso existem as campanhas de amamentação, existe agrupamentos de mulher que vão amamentar em público, os famosos: Mamaços.

A mãe que não amamenta recebe muitos dedos apontados para si que dizem:

  • Você não amamenta por questão de estética, que seu peito caia;
  • Você não tentou amamentar por tempo suficiente;
  • Você não tentou da maneira que deveria ter tentado, outras posições, etc;
  • Você não amamentou por preguiça;
  • Comparações: “Eu amamentei até tal idade…”
  • Seu leite é fraco porque que não conseguiu amamentar;
  • Se você der leite artificial, seu filho ficará muito mais doente;
  • A sua ligação com seu não será a mesma;
  • Você não é uma boa mãe porque não amamentou;

Essas são apenas algumas frases que a mulher que não amamenta ouve de pessoas próximas e de pessoas desconhecidas. Fora o olhar de desprezo e desconsideração.

Maternidade sem julgamentos

mãe que não amamenta

Agora, coloque-se no lugar da pessoa que ouviu boa parte dessas frases e responda as perguntas a seguir. Você se sentiria uma boa mãe? Você teria autoconfiança suficiente para alimentar seu filho com leite artificial? Você teria vontade de berrar para o mundo que você não conseguiu amamentar seu filho? Você se sentiria consolada meio as suas próprias dúvidas e incertezas? Você acha que uma pessoa que fala uma dessas frases para uma mãe que não amamenta, acrescentou algo para a vida dela?

Talvez se você conheceu meu blog por esse texto, vai achar que eu não defendo o aleitamento materno. Infelizmente você está enganada. Eu consegui amamentar meus dois filhos. Não na quantidade de tempo que eu gostaria e quando penso, ouço alguns dedos apontados para mim também.

A mãe que não amamentou não é menos mãe porque seu filho tomou leite artificial. Ao contrário, essa mãe precisa do nosso apoio, incentivo e abraço. Ela precisa de compreensão. Porque quem já passou por um pós-parto sabe como é difícil enfrentar certas coisas em nossas cabeças, as adaptações e mudanças que ocorrem nesse período. Julgar ela, não vai mudar o fato de que ela não conseguiu amamentar. Mas se colocar ao lado dela, ouvir e quem sabe ser o seu apoio, vai fazer total diferença!

Por que eu acredito que quando compartilhamos essa arte que é ser mãe, tornamos os fardos da maternidade muito mais leves. Percebemos que outras mães enfrentaram dificuldades e críticas. Por isso, quero pedir para você compartilhar sua história sobre não amamentar seu filho! Aqui você certamente encontrará um ombro amigo que pode contar!

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!
Comente