Legado

Oiiii…
Hoje é mais um dia especial, que um papai é convidado a compartilhar conosco as mudanças que ocorrem em suas cabeças desde quando eles sabem da notícia que serão pais. Bruno Bonfim é o convidado de hoje, ele é radialista, jornalista, blogueiro (Aventura Paterna) e seu presente ainda está no forninho da mamãe. Como nós mães sabemos, há mudanças nos nossos pensamentos desde que sabemos que estamos gerando um bebê, não só nas nossas, viu. Nas deles também! O Bruno hoje vai compartilhar um pouco do que se passa na cabeça deles…

A palavra “legado” te diz algo? Antes de iniciar o texto, fui atrás da definição no dicionário, achei sinônimos interessantes, como por exemplo: contribuição, sucessão, herança, exemplo, transmitir e etc.

Essa foi a palavra que me fez querer ser pai, legado. Ainda é recente, meu bebê ainda está no “forno”, mas essa palavra continua martelando na minha cabeça dia após dia. Chega a me incomodar com a enorme responsabilidade na qual ela vem acompanhada, seja ela pessoal, financeira, familiar ou social.

Não sou latifundiário, nem parente do Eike Batista, não sou rico (só de saúde rsrs), então qual seria o meu legado? Seria apenas meu seguro de vida? Ou meu computador, meus blogs e minhas economias? Será que é realmente tão simples e fútil assim transmitir um legado?

A referência paterna que tenho é a do meu pai, sempre presente, inteligente, trabalhador, brincalhão, honesto e amoroso. Temos nossas diferenças, como qualquer ser humano, mas creio que sempre, me compararei com ele em relação ao meu filho[(a), ainda não sei o sexo], ele me deixou um legado muito além de bens materiais, creio que um bom legado.

Sou formado, sou adulto, tenho uma família bem estruturada, ai começa a comparação, como saber se eu não vou falhar? O teste final de inicia, o meu legado nada tem haver com o dele, EU tenho que contribuir, dar exemplo, suceder o que de bom eu aprendi com ele, passar para o meu filho (a), direcionar este pequeno ser para o caminho de ser alguém, um sujeito, um ser pensante. Acredito que ter um filho é como plantar, tem que adubar (investir, educar, direcionar, dar oportunidades), deve se podar (mostrar-se humilde, impor alguns limites), molhar (dar liberdade, ensinar a confiar), deixar ao sol (aprender com seus próprios erros), nada em excesso faz bem, o difícil é balancear tudo isso. De certo que se existisse receita, ela já estaria disponível para download na internet…rsrs.

Achei outra definição que vale a pena compartilhar “Enviado, em regra temporário (ciclo da vida), de um governo (mãe) junto a outro governo (pai); espécie de embaixador (filho) extraordinário (único, insubstituível) para determinada missão (aprender a viver).” Encerro aqui o texto, com o desejo de fazer o melhor, para que meu legado seja passado de maneira tão clara e boa, eternizando assim, a dádiva de SER PAI(ou mãe).

Parece ser até egoísmo dizer isso (e é), mas morrer sem deixar raízes me faz pensar em uma vida fútil, vazia e sem tempero. Como eu disse em meu blog (Aventura Paterna) “e acima do nosso amor (de casal), criar um amor externo a nossa relação, um alguém que mesmo se daqui 10~20~100 anos nos odiarmos, continuares amando esse alguém, essa pessoa, nosso bebê.”.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

9 thoughts on “Legado

  1. César Cazelato says:

    São otimas definições meu velho amigo ( 10 anos que tenho que te aturar hauahuahua .se não me engano ), mas mais do que isso´vc deve ser lembrado pelo fiotinho que ta vindo ai por quem vc é pra ele, pelo que fez na vida dele, pois muitas vezes vc pode ser filho do Carlos Slim Helu e não ser nada para seu filho, não dar nenhum exemplo positivo e ainda ser lembrado como um pai ausente. São coisas que eu tenho certeza que não vão acontecer contigo, pois seguindo a linha vc teve ótimos exemplos dos seus pais e sei que se precisar de qualquer coisa jamais irá hesitar em chamar ( eu, o povo do RPG, escola, afins ) pois de verdade, o exemplo vem do circulo que nos cerca, seja familiar, amigos, profissional… E pra estragar o little Nick, tem eu!!!! hehehehe
    Sem falta, vou sisita-los na proxima semana!!!!!
    Parabéns Karin pelo blog, muito bacana, e Parabéns ao cas, agora é familia que eu mais gosto Naty , Bruno e Nicolas… \o/

  2. Suelen Favaron says:

    Belíssimo texto emo, fico feliz que você esteja crescendo como pai e como pessoa, ainda mais porque como amigos conseguimos compartilhar isso e ver sua felicidade.

    Minha mãe sempre me ensinou que não há forma de se fazer com que o seu filho vá para o caminho correto. Sua unica função é ensiná-lo, educá-lo e dar tudo do bom e do melhor para que ele tenha a chance de se tornar uma pessoa de bem e um ser de caráter….o resto depende apenas dele, seguir ou não…

    Assim como o Tiago, sabe onde moramos, telefone, e-mail e nome do char no WOW, só mandar sinal de fumaça que aparecemos por ai…Bjos

    • Karin says:

      Realmente Suelen, é função primordial que os pais eduquem seus filhos e formem eles bons cidadãos. Creio que a ajuda que o Bruna e a sua esposa precisarem eles poderão contar com vocês. É importante também ter a contribuição de familiares e amigos pois as crianças observam a grande figura, o comportamento geral.

      Bacana da parte da sua família se tornar disponível para que o casal possa chegar caso precisem de ajuda!!!
      Nem que seja pra lavar a louça enquanto a mãe aproveita descansar nos primeiros meses, não é mesmo!!! hehehe

      Beijosss
      E seja sempre bem vinda aqui!!!

  3. Tiago says:

    Gostei do texto Bru…. PARABÉNS!!
    Não concordo com algumas coisas, na verdade só com a parte da futilidade!! ^^
    Sei que você sabe, mas nao custa nada falar de novo, Pode contar comigo pra qualquer coisa com o bebezao!! 😀 😀
    Parabens, também, para o blog “Mamãe & Cia”!!

    Abraço

Comente