Hora certa de tirar as fraldas?!

 

Oi pessoas lindas, queridas e amadas…

 

O tema de ontem foi desfralde noturno, certo?
E olha só que legal que chegou pra mim… Um teste desenvolvido pela psicóloga e psicanalista Christine Bruder, fundadora do berçário Primetime Child Development… afinal de contas quantas de nós já chegamos a ficar pensando se estava na hora certa de fazer o desfralde…

Mães, sempre cheia das dúvidas…e isso é a coisa mais normal do mundo…

Vamos conferir o teste! Espero que ajude a tirar as dúvidas, viu!!!

 

Questionário Primetime de prontidão para o Desfraldamento Diurno

Christine Bruder

1)      Quando a criança faz xixi na fralda:

a.      Não repara ou não se importa em estar de fralda suja e continua usando-a sem reclamar.

b.      Percebe que está de fralda suja, mas não tem pressa em trocá-la.

c.      Às vezes não se importa, outras vezes pede para a fralda ser trocada.

d.     Sempre avisa que sujou a fralda e não gosta de ficar suja.

e.      Avisa antes que vai fazer xixi.

 

2)     Quando a criança faz cocô na fralda:

a.      Não dá nenhum sinal. O adulto percebe apenas pelo cheiro.

b.      Às vezes demonstra que está fazendo, outras vezes continua distraída brincando.

c.      Para tudo que está fazendo e se concentra, vai para um canto da sala ou se afasta um pouco.

d.     Pede imediatamente para ser trocada e limpa.

e.      Avisa antes que vai fazer cocô.

 

3)     A criança normalmente faz cocô:

a.      Em horários variados. É imprevisível.

b.      Não é sempre nos mesmos horários, mas sabemos quando é hora, pois ela dá sinais disso.

c.      Em horários regulares e previsíveis.

d.     Praticamente na mesma hora todos os dias.

 

4)     A criança entende o significado das palavras molhado /seco, sujo/limpo, sentar, ir ao banheiro.

a.      Ainda não entende o significado delas.

b.       Entende o significado de algumas dessas palavras.

c.      Entende claramente.

d.     Entende o significado dessas palavras e de ações mais complexas como colocar algumas peças no cesto de roupa suja ou como limpar seu suco derramado.

 

5)      Quando o adulto pede à criança para guardar seus brinquedos ela:

a.      Acaba brincando mais um pouco e esquece-se de guardá-los.

b.      Às vezes colabora na arrumação, outras vezes acaba se distraindo.

c.      Ajuda a guardar orgulhosamente seus brinquedos.

d.     O adulto não precisa mais pedir. Ao terminar de brincar ela guarda seus brinquedos.

 

6)     Quando a criança tenta se vestir sozinha:

a.      Não sabe como proceder.

b.      Sabe aonde vestir cada peça, mas efetivamente não consegue.

c.      Consegue com alguma ajuda vestir peças simples como uma calça de elástico.

d.     Consegue vestir sozinha suas calças, camiseta e meias, mas ainda não fecha zíperes ou botões.

 

7)     Quando a criança ouve uma história contada a partir de um livro:

a.      Parece não perceber que a história está sendo contada e, portanto continua brincando.

b.      Fica parada escutando pelo menos as primeiras duas páginas.

c.      Às vezes fica parada para escutar toda história, outras vezes se distrai com outras coisas e sai de perto. Quando está escutando, se interessa bastante pelas figuras do livro.

d.     Senta-se para escutar um ou dois livros curtos apontando as figuras.

e.      Senta-se para escutar quantos livros ou histórias o adulto estiver disposto a contar. Comenta sobre os elementos da história e faz relações com a própria vida.

 

8)     Ao imitar as ações de outras crianças ou adultos:

a.      Ainda não possui esse hábito.

b.      Imita quando um adulto pede ou demonstra (bater palminha, dar “tchau” com a mãozinha, por ex.)

c.      De vez em quando imita espontaneamente o comportamento de outras crianças ou adultos.

d.     Imita frequentemente a todos.

 

9)     Quando a criança vê outra criança ou adulto usando o banheiro (vaso sanitário):

a.      Continua brincando sem notar.

b.      Às vezes se interessa pelo fato, outras vezes não dá atenção.

c.      Fica curiosa a respeito da descarga, do papel, do vaso sanitário e demonstra interesse em experimenta-lo.

d.     Algumas vezes experimenta espontaneamente usar o vaso sanitário e demonstra entender como é o processo.

 

10) É necessário trocar a fralda da criança:

a.      Aproximadamente a cada duas horas.

b.      Depende. Às vezes a cada três ou quatro horas.

c.      Algumas vezes a fralda está seca durante o dia.

d.     Geralmente a fralda está seca quando o adulto vai trocar, quando está molhada é por que a criança fez muito xixi deixando a fralda cheia, na capacidade máxima.

 

11)  A criança é:

a.      Menor de 18 meses

b.      Tem entre 18 e 24 meses

c.      Entre 24 e 30 meses

d.     Entre 30 e 36 meses

e.      Tem 36 meses ou mais

 

12) Com relação à capacidade de se locomover, a criança:

a.      Engatinha, se arrasta ou deu os primeiros passos recentemente (há três meses ou menos ).

b.      Anda com pouco equilíbrio e precisa eventualmente que o adulto dê a mão a ela.

c.      Anda independentemente, com bom equilíbrio e coordenação de um ambiente ao outro.

d.     Anda muito bem e é capaz de ir sozinha a um banheiro conhecido, baixar as calças ou levantar o vestido e se sentar no vaso sanitário.

 

13) Com relação à capacidade de se comunicar, de se fazer entender, a criança:

a.      Está começando a se comunicar através de sílabas básicas (ma, da, pa, por ex.).

b.      Faz-se entender com o uso de palavras simples (mamã, qué, nenê, por ex.).

c.      Tem um bom vocabulário, nomeia a maioria dos objetos e ações.

d.     Já forma sentenças simples (Eu quero fazer xixi, por ex.).

 

14)  Como o adulto se sente com relação ao fato da criança usar fraldas:

a.      Gosta da intimidade e interação proporcionada pelos momentos de trocas de fralda.

b.      É indiferente a respeito.

c.      Pensa em iniciar uma nova etapa ajudando a criança a usar o banheiro.

d.     Não vê a hora de deixar as trocas de fraldas para trás.

 

15) Como o adulto se sente a respeito do desfraldamento da criança:

a.      Não crê que a criança esteja pronta ou não tem pensado muito a respeito.

b.      Ok. Faz parte do crescimento da criança e do papel dos pais incentivá-la.

c.      Acha que a criança está pronta e se sente pronto também.

d.     Animado com essa nova fase de crescimento e independência da criança.

 

16) A ideia de desfraldar a criança:

a.      Partiu da exigência da escola, que não conhece intimamente a criança. A criança só poderá ingressar na escola caso esteja desfraldada.

b.      Surgiu da comparação com primos e filhos de amigos da mesma idade que já estão desfraldados.

c.      Partiu da observação de que a criança parece pronta.

d.     Partiu da própria criança.

 

17) Como a criança demonstra sua necessidade de independência:

a.      Aceita bem que o adulto cuide de todas as suas necessidades: vesti-la, banhá-la, colocá-la na cadeirinha do carro, etc.

b.      De vez em quando quer participar e ajudar o adulto a cuidar dela.

c.      Frequentemente quer se cuidar sozinha, mesmo sem sucesso.

d.     O lema da criança é: “Eu faço!” e fica brava se o adulto tentar ajudar.

 

18) Quando a criança tenta colocar as meias, subir na cadeirinha do carro ou se servir sozinho de suco a reação do adulto geralmente é:

a.      Fazer por ela.  Ela ainda não consegue, mesmo que queira fazê-lo.

b.      Depende do dia e do que exatamente ela está tentando fazer sozinha.

c.      Se houver tempo, incentivá-la.

d.     Deixar que a criança faça sozinha. Mesmo que leve mais tempo.

e.      Ela já consegue fazer essas coisas sozinha e com sucesso.

 

19)  A família da criança:

a.      Está passando por um período de separações ou perdas.

b.      Está se preparando para a chegada de um novo irmão para a criança.

c.      Está passando por um momento de mudanças, seja na constituição familiar, seja de endereço ou rotina.

d.     Vive um momento de estabilidade.

20) Com relação aos “acidentes” comuns ao processo de desfraldamento, os adultos;

a.      Não estão dispostos a diversas vezes ao dia trocar a roupa da criança, limpar o carro e a casa.

b.      Estão dispostos a enfrentar os “acidentes” por uma semana, 10 dias.

c.      Incomodam-se pouco com “acidentes” comuns ao processo.

d.     Sabem que os “acidentes” são inevitáveis, são pacientes e se dispõem a tolerá-los.

Total de respostasa.
x  0 =
__

b.

x 1=
__

c.

x 2=
__

d.

x 3=
__

e.

x 4=

Soma total =

0 a 23 – Espere

A criança não dá sinais suficientes de estar preparada física ou psicologicamente para iniciar essa importante etapa de seu crescimento. Além de precisar estar muito motivada, a criança precisa ter condições de perseverar e levar adiante o processo de desfraldamento com alguma independência. Antecipar o processo nesses casos pode refletir negativamente na autoestima e segurança da criança. Iniciar o desfraldamento sem a criança estar realmente madura pode fazer com que o processo se estenda por meses ou tenha que ser suspenso, além de gerar frustrações desnecessárias a todos. Se for possível, espere e volte a fazer o teste daqui algum tempo.

24 a 46 – Prepare a criança

A criança já dá alguns sinais importantes de prontidão e com a sua ajuda ela estará preparada para usar o banheiro independentemente em um futuro próximo. Enquanto ainda usa fraldas, leia para ela alguns livros infantis sobre o tema e deixe que ela experimente usar o vaso sanitário sempre que quiser, espontaneamente, sem compromisso.  Favoreça sua independência dando tempo e oportunidade a ela para que aperfeiçoe suas habilidades motoras em alguns cuidados pessoais básicos como se vestir, se lavar, se enxugar, comer sozinha, etc., mesmo que o resultado não seja perfeito. Elogie seus esforços e seja paciente. As fraldas ainda são úteis, mas em breve deixarão de ser.

47 a 65 – Inicie o Desfraldamento

A criança tem condições de iniciar o processo de desfraldamento com sucesso!  Ela dá sinais de estar suficientemente motivada e amadurecida para dar esse passo. Se você não tem experiência com o processo de desfraldamento, procure dicas e orientações com outras mães ou educadoras. Se já é experiente, planeje com a criança a compra de cuecas/calcinhas e explique a ela como vai ser. Não se esqueça de assegurar à criança de que “acidentes” são normais e esperados, parte do aprendizado. A essa altura, ela possui boa consciência corporal, habilidades motoras e de independência para assumir o controle do processo, cabe ao adulto dar suporte e lembrá-la regularmente de ir ao banheiro. Mantenha uma atitude positiva e espere um processo calmo e prazeroso!

 

 

Depois corre aqui no blog contar, e dizer se ajudou ou atrapalhou… hehehe

 

Beijinhos

Karin

 

Se você gostou deste post, talvez queira ler mais:

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente