Gratidão II

Hoje estava dirigindo e entre tantos pensamentos, então paro em um deles: “Que bom que tenho braços” e a partir dali comecei a pensar em como é bom ter braços. Vocês já pensaram nisso???

Comecei a lembrar em como amo abraçar minha família. Lembrei como eu gosto de esmagar e fazer cócegas nas crianças. É através deles que posso demonstrar segurança quando os meus filhos ficam com medo ou que posso acalentar quando estão assustados ou doentinhos. São eles que permitem fazer uma comidinha caprichada e bem temperadinha.

Fiquei pensando que eles me ajudam a digitar, a escrever, a ler, a arrumar a casa, lavar a louça e sentir meus dedos congelados nesse inverno. Graças aos meus braços posso fazer tantas coisas que percebi que nunca tinha sido grata, de verdade, pelo fato de eu realmente ter eles.

 

Nossa vida é sempre tão corrida e cheia de situações para resolver, que infelizmente, coisas realmente importantes passam despercebidas.

Todos os dias famílias perdem os seus entes queridos, pessoas passando fome e frio. E às vezes perdemos tempo reclamando da vida, do frio, da chuva, da casa muito pequena, da casa muito grande, etc… Enquanto, de fato, deveríamos ser mais agradecidos por temos essa diversidade em nossas vidas.

 

Hoje eu simplesmente acordei com aquela vontade de agradecer ao Papai do Céu, ao nosso Deus, o quanto Ele tem sido bom, protetor e cuidadoso conosco.

Agradeço à você também, que parou para ler esse post hoje!

Bjos

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *