Futuro profissional dos filhos

formanda2

 

Quantas vezes sonhamos com o futuro deles… O que nossos filhos vão ser quando crescer? Idealizamos que vamos dar a melhor educação que conseguirmos para que eles possam estudar em boas universidades e ainda ter seu futuro profissional garantido. Na grande maioria das vezes criamos nossos filhos para um emprego, para um estabilidade. Diante disso, limitamos muitas  vezes que eles ousem, criem e empreendam.

Mas Karin, meu filho só tem cinco anos… Porque você já está falando sobre o futuro deles??? Como assim???

Estava pensando na entrevista que a psicóloga Mariana cedeu ao programa, na qual ela aborda sobre isso.

Eu mesma já peguei pensando que o menino poderia ser um excelente jogador de futebol, até porque o chute dele é super forte. Mas acredito que seja só uma coisa de brincadeira, de momento. Não quer dizer que eu não vá incentivá-lo. Quando meu marido brinca com ele, às vezes rola até um treino para goleiro. Isso, na inocência da infância.

Essa inocência está precisando ser melhor cultivada no mundo. Deixar que nossos filhos explorem a terra, plantar, colher, correr, brincar, pular, jogar bola, brincar de boneca, contar e ouvir estórias. Deixar que a criatividade crie asas tão grandes que sejam capaz de abraçar o mundo e viajar até Marte, porque não? No mundo do faz de conta tudo é possível.

Peraí Karin, agora você viajou legal. Você fala de futuro profissional mas está deixando eles viajarem até Marte?

Acredito que se nós deixarmos eles conhecerem, observarem as mais diversas profissões, eles vão desenvolver o gosto natural pela coisa. Levei o Cauê assistir um jogo de futsal na nossa cidade. Ele simplesmente adorou! Torcia, gritava, mandava fazer gol, ria quando caia… Incrível… Uma delícia. Agora ele quer ver um jogo de basquete! hahaha… tudo a ver né.

Além de ser sido um passeio super legal em família, foi uma experiência para ele… Aos pouquinhos isso, dentro dele, vai despertando sensações, vontades e quem sabe um futuro atleta. Mas poderia ser um pintor ou escritor, até mesmo um palhaço. Sim, desde que ele faça algo que tenha verdadeira paixão.

Porque sucesso, não é apenas dinheiro no bolso. Mas é também satisfação em se fazer o que faz. Por isso há tantas pessoas estressadas e não são poucas as pessoas que trocam de área depois de 15 anos na mesma profissão.

Deixem que eles descubram o que mais lhe agrada de fazer…

E quando vier a juventude… que venham as feiras de profissões.. hihi 🙂

 

Beijos,

Karin

 

Se você gostou deste post, talvez queira ler mais:

 

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente