De repente 30!

Graças à Deus eles chegaram! Não que eu esperasse ansiosamente para completar três décadas de vida. Eu pensei que passaria por alguma espécie de “crise”, sei lá, já ouvi tantas mulheres falarem sobre a crise dos 30. Também não fiquei procurando para saber onde e quando ela apareceria.

Talvez a “crise dos 30” venha acompanhada com momentos de reflexão, pode ser, não sei! Contudo eu não iria considerar como um período crítico, vivo me analisando, ponderando meus passos, essas coisas sabem?

Quando olho para trás, vejo que a 10 anos atrás decidimos constituir uma família. Duas crianças que resolveram começar uma vida juntos! Sem nada na cabeça além de sonhos e projetos. Em uma década, construímos uma família linda, unida em Cristo, cercados de amigos maravilhosos.

Os 20 me fizeram bem. Aprendi, cresci, chorei, amadureci, cai e levantei tantas vezes quanto foi preciso. O tempo passou tão rápido que basicamente só percebi na quantidade de calças e sapatos que o Cauê foi deixando pelo caminho.

Novo-Documento-3 1 Novo-Documento-3 3 Novo-Documento-3 2 Novo-Documento-3 4 mini domingo 0708-681
Janeiro de 1988 - 1 ano e 4 meses

 

Andei contra o fluxo, não me formei em nenhuma das duas faculdades que comecei, não me orgulho disso, mas também não é algo que me deixe desesperada. Enquanto muitos se dedicaram às suas carreiras, escolhi ter meus filhos.

Há alguns anos, se me perguntassem se eu mudaria alguma coisa na minha vida. Bom, talvez eu tivesse uma lista de coisas pelas quais eu utilizar uma máquina do tempo. Mas aprendi que são os erros que nos fazem crescer e olhar a vida por uma ótica diferente. E não! Não mudaria absolutamente nada. Casar aos 20, ser mãe pela primeira vez aos 23 e pela segunda vez aos 28 anos de idade, se encaixavam perfeitamente nos planos da Karin, com 10 anos de idade. Quem diria que esses planos infantis iriam se realizar?

Muitas vezes questionei Deus por querer andar nos caminhos deles, mas pareciam que os meus pés só pisavam em lugares que não eram guiados por Ele. Chego aos 30, concluindo que apesar da minha ignorância e falta de visão, em todos os momentos Ele esteve comigo.

Outro dia comentei com uma amiga querida, que nossa vida é como um quebra-cabeça: existe uma figura e à medida que os dias vão passando as pequenas peças começam a se encaixar. Quando Deus encaixa as partes, tudo é maravilhoso e certo.

20 x 30

A idade chega… kkk… e com elas a possibilidade de vermos nossa evolução como pessoa. No jantar de sexta-feira com as amigas, a última a chegar na fase dos “inta” me pediu para contar como era ter 30 anos… Bom então aí vai:

Qualidade: Aos 20 o que importava era a quantidade de calças jeans, maquiagens, creme hidratante, etc. Hoje, qualidade e rentabilidade. Posso até pagar um pouco mais caro pelo produto, se ele é de melhor qualidade, vai render mais e consequentemente durar mais tempo.

Especialidade: Aos 20 acreditamos que podemos fazer tudo, abraçamos o mundo e agora aos 30, compreendo que existem pessoas mais qualificadas e que é bem mais fácil pedir ajuda. Muitas vezes é até mais rápido!

Casamento: Sempre imaginei que iria casar pelos 20 anos, pedi ao Papai do Céu e Ele me atendeu em todas as qualidades. Esse ano estamos completando uma década de vida a dois.

Novo Documento 2_1

Música: Aos 30 continuo ouvindo as músicas que ouvia quanto tinha 15 ou 20 anos… Isso só me faz me sentir velha… kkkk… Brincadeira! As músicas que eu gosto são aquelas que eu sei cantar. Esses dias em uma roda de amigos que estavam cantando, começamos a abrir o baú e é tão divertido!!!

Bate papo: As conversas mudaram um pouquinho. No nosso grupo de mulheres falamos de tudo um pouco, maquiagem, academia, declaração de imposto de renda, imóveis, filhos, filhos e filhos. Coisa básica!!!

Diversão: Aos 20 ir para a balada com as amigas e/ou cinema toda semana. Nos 30, a gente já sabe que isso tudo é futilidade, no máximo sair para um barzinho com as amigas para comer e conversar. Dançar, vixiii… só se for em casamento que as crianças não estejam acompanhando… hahaha

IMG-20160902-WA0056

Filhos: Sempre sonhei com a maternidade. Quando completei 18 anos fui à ginecologista pesquisar se eu poderia ser mãe algum dia, ela achou um tanto estranho, afinal de contas eu era muito nova. Expliquei para ela que se eu tivesse alguma coisa, preferia descobrir cedo e realizar tratamentos porque era o meu sonho de criança. Fomos abençoados com duas crianças lindas, saudáveis, amorosas, sapecas e cheias de energia que completam os nossos dias.

Na minha época… Aos 20 anos eu costumava ouvir isso da minha mãe, assim como tinha ouvido a vida inteira. Aos 30, estou falando para o Cauê, contado das coisas da minha época, dos desenhos, das brincadeiras e tudo mais…. hahaha

1461510244064

Ciclo da Vida

Na verdade, estou bem animada para essa próxima etapa! Andei lendo um pouquinho sobre a terceira década de vida e muitos lugares apontaram como sendo a década de maior felicidade.

Muitas coisas vão surgir, as crianças vão crescer e quando estiver me despedindo dos 30, o Cauê já vai estar com 17 anos e a Catarina com 11 anos. Será uma nova fase de aprendizado, não apenas como mãe, mas como mulher, esposa, ser humano.

Novos desafios irão surgir, outros planos irão se concretizar, com Deus no controle tudo vai dar certo. Em tudo, posso dizer: “até aqui nos ajudou o Senhor” e tenho certeza que não será diferente daqui para frente.

zyzs95kj

Mãe do Cauê e da Catarina :)




Comente