Crosta Láctea – O que é e como cuidar?

A crosta láctea é bem comum nos bebês, principalmente nos recém-nascidos, e pode desaparecer até por volta de um ano de vida. É uma forma de dermatite seborreica, ou seja,  um distúrbio inflamatório da pele que a faz descamar.

É importante estar atenta a evolução (ou não) da crosta láctea, deve ser tratada também, pois apesar dela não incomodar o bebê pode originar algumas inflamações.

Quais são as características da crosta láctea?

A principal característica da crosta láctea é o aparecimento de pequenas escamas, crostas ou caspas oleosas e amareladas. Elas podem aparecer no couro cabeludo e até mesmo nas sobrancelhas e em outras partes do corpo.

Como surge a crosta láctea?

A sua causa não está relacionada com a falta de higiene. Mas especialistas afirmam que ainda não se sabe o verdadeiro motivo dela aparecer. Dizem que pode ser oriundo dos níveis elevados de hormônios durante a gravidez que desencadeiam a produção excessiva de sebo. Este excesso não só estimula o desenvolvimento de células novas como também junta as células mortas, formando escamas e crostas.

“A crosta láctea manifesta-se quando o óleo, produzido pelas glândulas sebáceas, seca e se transforma numa película gordurosa. Esta crosta obstrui os canais sebáceos que produzem ainda mais óleo na tentativa de desobstruir os canais, piorando o problema”. Fonte: Mãe me quer.

Cuidados necessários com a crosta láctea

crosta lactea recem nascido

Apesar de não coçar e não causar desconforto para o bebê, a crosta láctea merece atenção e cuidados.

Como a crosta láctea prejudica com a transpiração e com o clima quente a recomendação é para secar a pele do bebê muito bem após o banho. Se estiver com temperaturas mais frias, até pode ser usado um gorro ou chapéu para cobrir a cabeça, mas um bebê saudável, não precisa manter a cabeça coberta toda hora, mesmo no frio.

Um bebê sente tanto calor quanto um adulto e o mesmo vale para o frio. Então, agasalhe o bebê para o seu frio ou para o seu calor. Evite colocar muita roupa no bebê para que ele transpire demais. No verão, precisa roupas de algodão, pois elas permitem que a pele respire melhor.

IMPORTANTE!!! As crostas nunca devem ser removidas à força. Não utilize sua unha, pois isso aumenta o risco de infecção e também o aparecimento de outras feridas provocadas pela agressão da pele. Quando as escamas estiverem prontas pra saírem, elas sairão. Não precisam ser descoladas por você!

DICA! Você pode aplicar um óleo de origem vegetal (coco, amêndoas, entre outros) no local onde as crostas estão cerca de 30 minutos antes de dar banho no bebê, pois isso vai ajudar a amolecer a crosta láctea. Lave com muito cuidado a área afetada para retirar o óleo. Seque muito bem e com cuidado a cabecinha do bebê.

Se a crosta láctea persistir e as zonas afetadas apresentarem sinais de infeção (vermelhão) recorra ao seu médico para que observação e orientação sobre o tratamento mais adequado.

Quando experimentar um tratamento, espere pelo menos três dias para ver se produz efeito antes de tentar outro tratamento.

Tratamentos recomendados para crosta láctea

crosta láctea

Caso as lesões da pele não desaparecerem com os “cuidados caseiros”, o pediatra pode receitar cremes que contenham hidrocortisona. Se o problema persistir é possível que ele recomende utilizar shampoo especiais para eliminar as escamas.

Em alguns raros casos, quando a infecção fúngica complicar a situação, a pele terá um tom vermelho vivo e um odor intenso, nesse caso, o pediatra receitará um creme antifúngico.

Mas antes de pular de tratamento, siga corretamente as orientações do pediatra por pelo menos três dias.

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente