Consumismo e minhas utopias…

Pedagogia e seus afins… ai ai… Vão fazer parte da minha vida pelos próximos três anos e meio. Bom? Ruim? Tudo tem seus prós e contras, não é verdade? Mas o melhor é que eu não pago faculdade, pelo menos isso, então, preciso me esforçar um ‘tiquinho’.

Estudando os filósofos e sociólogos e o mundo que eles sonharam, Marx com seu comunismo parece totalmente platônico (outro filósofo) principalmente quando se está e vive num mundo totalmente diferente, que visa o consumismo em massa. Crises e mais crises… Há quanto tempo ouvimos falar delas, eu pelo menos não lembro da última vez que não citaram ela. Às vezes chego a pensar que o capitalismo está a beira de um colapso.

Não comunista e nem socialista, não defendo nenhum ou outro. Vivo em um mundo capitalista, recebo o meu salário pelo meu trabalho, pagos as minhas contas e sim, uso com futilidades quando dá. Mas analisando, pensando e repensando tudo o que estamos vivendo, fica difícil ter outro tipo de pensamento.

Passamos por uma época de consumo extremo, basta assistirmos os jornais para ouvirmos estatísticas de que as vendas esse ano aumentaram e aumentaram, todo ano elas aumentam, já perceberam?

A blogosfera materna, entretanto, me faz acreditar e sonhar com um consumo consciente e controlado. Hoje, vejo pais preocupados em ensinar aos seus filhos que o capitalismo não é por completo ruim, pais que ensinam e compartilham as finanças da casa com os filhos, dessa forma eles vão aprendendo que não é todo mês que dá pra comprar yogurte e bolacha, às vezes, é preciso fazer escolhar. Pais que ensinam os filhos desde pequenos a poupar e administrar o dinheiro que recebem de mesada. Pais que mostrar entre erros e acertos que não se pode dar passos mais largos que as pernas.

Há quem diga que é em vão tentar ir contra o sistema, que não passa de uma utopia. Certa vez ouvi a frase: “Utopia é o sonho que queremos viver”, essa frase com certeza me marcou, não é o fato de ir contra o sistema ou fugir da matrix, mas falo de caminharmos no próprio ritmo, fugir do consumismo exacerbado, parar de querer o esmalte da fulana da novala “x” ou a bolsa daquela atriz, ou um shorts novo só porque a vizinha comprou um para ela.

Quantos param para admirar a beleza das coisas simples aos seus filhos? O valor inestimável de um abraço sincero. De ver o planeta terra como um lar comum e por isso não devemos jogar lixo no chão ou moderar o consumo de água e luz. Não é utopia querer ensinar ao meu filho a acreditar num mundo melhor, ensina-lo a lutar por isso, a contribuir para que isso seja real, concreto.

Hoje já não existem mais aqueles grandes pensadores, contudo, acredito sim, que nós como indivíduos viventes e pensantes que habitam neste planeta podemos e temos essa coisa de filosofar e acreditar que cada um de nós pode sim fazer a diferença. Podemos começar a disceminar essa idéia e revolucionar o nosso mundo até contagiarmos pessoa a pessoa… e assim espalhar ao redor do nosso bairro, cidade, estado… e por aí vai!

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!
Comente