Como tornar a introdução alimentar irresistível

img_1380-copy

A introdução alimentar é uma nova fase e por isso muitas vezes aguardada com certa ansiedade pelas mamães. Afinal de contas, até então tudo que o bebê comia era apenas leite, seja materno ou não. Por isso, muitas ficam sonhando como será essa nova fase, se haverá ou não alguma espécie de rejeição ou se o bebê irá aceitar tudo numa boa.

Aqui em casa, os meus dois são bons de boca. Quando pequenos sempre comeram muito bem. E a questão alimentar era um dos quesitos mais pesquisados por mim, pois queria garantir que estaria suprindo a necessidade e variedade de nutrientes para eles.

Meus amigos, quando chegavam em nossa casa, sempre elogiavam o aroma das refeições da Catarina, e um casal chegou a pedir para que eu os ensinasse a fazer para a baby deles que estava a caminho. Mas na verdade não tem muito segredo para os papas salgados.

Papinha doce não existia aqui em casa, nada contra a quem oferece, mas optamos que o doce seria as frutas e o salgado, nem era tão salgado assim. Para os lanches, muitas frutas, tentando variar entre uma e outra, fomos descobrindo aos poucos quais eram suas favoritas.

img_20160218_152534122_hdr-copy

Basicamente o que oferecemos para o Cauê, oferecemos para a Catarina, mas cada um se mostrou mais a favor de uma ou outra fruta diferente. O Cauê comia melhor quando eu misturava as frutas por exemplo: banana com mamão, manga com mamão e assim por diante. Catarina comia bem o abacate misturado com banana, mas o restante era apenas a fruta mesmo.

A introdução ao salgado foi gradativa e sempre procurando oferecer alimentos coloridos. Procurava fazer as comidinhas sempre frescas ou congeladas no máximo um a dois dias. Comprei recipientes de vidro, por conservarem melhor e ser possível esquentar em micro-ondas sem problema algum.

Minha dica pessoal na hora de prepara os alimentos é colocar muito AMOR! Esse é o segredo de uma papinha gostosa.

Como já falei, sempre procurei escolher os alimentos de acordo com suas cores, dessa forma, ampliamos o leque dos nutrientes que estaremos oferecendo para eles, por exemplo:

Sugestões de cardápios:

  • Batata salsa + abóbora + espinafre + brócolis + arroz integral + frango
  • Batata doce + cenoura + couve manteiga + couve-flor + macarrão integral + carne moída
  • Batata inglesa + tomate + couve-flor + repolho + arroz integral + carne moída
  • Batata salsa + beterraba + espinafre + nabo + macarrão integral + frango

Modo de preparo:

Refogar a carne com cebola e alho, deixar cozinhar um pouco sozinha, depois acrescentar o vegetal mais “duro” como a cenoura ou a beterraba e o arroz integral, depois ir acrescentando aos poucos os outros vegetais e deixar por último os verdes “sensíveis” como espinafre e brócolis. Colocar apenas uma pequena pitada de sal no cozimento e uma colher de sobremesa de azeite de oliva extra virgem, na hora de servir.

Eu gostava de ralar os vegetais, pois além de facilitar o cozimento também ajudava na hora de amassar eles para servir. Nunca, nunquinha fiz papinha batida no micro-ondas, sempre servi ela amassadinha, quando era menorzinha, esmagava mais e à medida que foi crescendo, fui deixando pedaços um pouco maiores, para ir se acostumando a mastigar e não apenas engolir o alimento.

Qualquer dúvida, estou à disposição. Vai ser um prazer responder as perguntas de vocês, porque aliás, eu amo cozinhar para minha família! E cozinhar para as crianças quando eram bebês, era uma terapia para mim, amava passear na feira e escolher os ingredientes fresquinhos da próxima sopinha deles!

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente