Como meu filho sobreviveu????

Pela idade o ano que relato é de 1997. Então a coisa não é tão antiga assim concordam?

Meu filho tomou LM por apenas 15 dias: sou o tipo de mãe que não tem leite suficiente e logo acaba. Não sofri discriminação e nem fui tratada “diferente” por isso. Hoje não, a mãe que não pode ou mesmo que não quer por opção amamentar é criticada e quase apedrejada. Meu filho não tomou Nan 1 e sim leite de vaca com água com 15 dias.

Com 1 mês tomava uma vez por semana suco de laranja lima. Aos dois meses comia maçã raspadinha, pêra, gelatina e mingau de arrozina. Estávamos na época da “intolerâ ncia a lactose” assim como hoje se está na era do “refluxo”, ou seja, tudo era intolerância a lactose que os bebes daquela época tinha e hoje qualquer coisa é refluxo (salvo os casos em que foram feitos exames e comprovados). Dor de ouvido? É intolerância ao velho e bom leite de vaca…. Tiramos o leite de vaca e partimos para o leite de soja em pó sabor banana, chocolate ou morango.

Por 3 anos meu filho não pode comer ou beber nada que tivesse leite de vaca (inclua brigadeiros, bolachas, sorvetes e tudo que esta à sua volta e que contenha leite). Um dia eu o peguei na escolinha tomando o Yakult da amiguinha. Quase enlouqueci… naquela noite não dormi e passei ai seu lado para ver a reação. Não houve reação. Ele dormiu normalmente. Fiquei apreensiva observando e após 5 dias relaxei. Ele me mostrou sozinho que não tinha a tal intolerância. E passou a tomar e comer tudo que lhe desse vontade.

Meu filho quando começou a gatinhar foi até o pote de ração da nossa cachorra boxer e comeu vários bocados. Desesperada liguei para minha mãe e ela me disse: “Fica fria que o máximo é ele gostar”. Meu filho rolava no carpete com a cachorra com 1 ano de idade. Renite? Vermes? Nada disso.

Aos dois anos exatos ele aprendeu com as primas gêmeas. (4 anos mais velhas) a mergulhar na piscina de 1,5 m de profundidade. Ninguém sabia, mas as meninas estavam ensinando. Um belo dia cheguei lá e ele de maio me disse “Mãe olha o que eu sei fazer” e correu em direção à piscina e meu coração parou, não conseguia gritar um não desesperado. Ele mergulhou de um pulo e levantou a cabeça batendo os pezinhos e se mantendo a tona. Ele aprendeu a nadar sem bóias, aulas de natação, toucas protetoras e tapas-ouvido.

Ele brincou muito: na escolinha brincando na gangorra o amiguinho desceu antes e ele perdeu um dentinho da frente de leite. Por 3 anos ficou “banguelinha”. Brincando na área de casa com água e detergente ele se jogava como peixinho e conseguiu com 2,3 anos 7 pontos na testa. Aos 4 brincando de cavalinho em um boxer mega grande que cuidava da chácara de minha mãe, ele caiu e torceu o pé o que lhe rendeu um gesso ate o joelho. Era para ser 5 semanas. Com 3 eu mesma cortei o gesso para ele poder correr livre de novo e seus pés e joelhos são perfeitos.

Meu filho tem dentes saudáveis o que lhe garante UMA visita anual à dentista que na verdade é sua prima: assim nas festas de final de ano ele revê a turma e aproveita para passar pela profissional. Ele tomou por 1 ano antibióticos fortíssimos devido a uma infecção no ouvido que nunca sarava e a causa era a tal intolerância a lactose. Não tem cáries e ama chicletes até hoje! Sua infecção de ouvido curou quando uma velha amiga da família (velha mesmo, com mais de 70 anos) colocou um macerado de balsamo – uma folhinha verde e gordinha, em seu ouvido. Depois ela esquentou azeite na colher com uma lasquinha de alho e quando estava morno pingou nos dois ouvidos. Aquela noite meu filho dormiu por 16 horas seguidas e eu verificando sua respiração, pois ele não passava de duas horas dormindo e acordava chorando com a dor terrível que é a dor de ouvido. Antes disso havia feito 2 lancetagens (limpeza interna do ouvido) com um profissional renomado de um hospital de São Paulo: vendi o carro para pagar o tal tratamento que nunca deu certo.

Meu filho cantou “atirei o pau no gato” e ama os animais. Não pode ver um gatinho… Ele e as primas uma vez esconderam 17 gatinhos nos fundos da casa sem que ninguém desse conta por uma semana. Não tem toxoplasmose e nunca pegou sarna. Tomou vários banhos de chuva e pulou nas sarjetas de água lamacentas. Não teve frieira entre os dedos.

Chupou sorvete com dor de garganta o que lhe rendeu uma pneumonia. Mas aprendeu e depois tomava sorvete quando não estava gripado. Mas pegou várias gripes e resfriados: tantos que parei de contar na 21º…. E sempre tomou sorvete escondido com as primas, suas companheiras de artes. Descobri isso anos depois. Meu filho não ia à pediatra desde um ano exato: parei, pois era particular e caro. No SUS nã o dava conta da fila. A cada seis meses dava vermífugos que minha mãe indicou e deu para seus filhos. Não teve reação.

Este ano, com 13 anos fizemos um check-up e levamos a sua última visita ao pediatra: dessa idade em diante pediatra é “mico”. Todos os exames e nenhum verme, sangue perfeito, urina ok e por ai vai. Foi virado do avesso e nada encontrado. Saúde perfeita.

Ver televisão? O meu cansou de dormir com ela ligada… Atualmente ele teve uma “crise” de adolescência – em minha opinião bobolescencia. Um ciúmes do irmão mais novo, já que foi filho único por 12 longos anos. E todos admiravam que por ser filho único e ter vários brinquedos, games e outros não era mimado, mal educado e sempre soube usar “com licença, por favor, e obrigado”.

Preocupada mandei-o a psicoterapeuta: ela me chamou e lá fui eu preocupada. “Mãe, seu filho só quer sua atenção de volta. Ta louco para sentar e contar suas aventuras”.dediquei novamente algumas horas por dia para ouvi-lo. Feito isso, melhorou tudo. Aos poucos claro e não da noite pro dia. Mas quem de nós não se rebelou na adolescência: pintar cabelo, fazer tatuagem, usar brinco, pixar paredes, roubar flores, pular janela para ir a festinhas? Eu fiz e sou tão feliz por isso!

Não se pode dar um tapinha na mão da criança: chame o ECA (uma Eca mesmo……) tem mãe “espancando” o filho. Bendita as surras que levei, malditas que caíram no chão. Não sou revoltada, não odeio meus pais bem ao contrário: amo-os de paixão! Trabalhar cedo? Aos 13 anos fui fazer serviço temporário no final do ano em uma loja. Tomei tanto gosto que nunca mais parei de trabalhar e tenho 39 anos. Estudava e arrumava servicinhos de meio período, sem carteira mesmo. Comprei minha mobílie sozinha! Hoje seria trabalho infantil e isso é crime.

Minha mãe foi poucas vezes na escola em que eu estudava: isso era raro e significava que eu estava em péssimos lençóis. Nunca minha mãe tirou a autoridade da professora ou diretora. Levei alguns cascudos da professora Natália no segundo ano primário: aprendi a me organizar, ser pontual com meus trabalhos. Não morri e nem ela foi presa por perder a paciência com essa aluna relapsa que nunca levava os materiais e tarefas.

Agora me pego lendo que não se dá NADA além do leite materno, nem água! Não se engrossa o leite, pois engrossante faz mal. Sucos, chás e papinhas antes dos seis meses? Pobre mãe que se aventurar a perguntar neste fórum: vai chover todo tipo de intempéries, algumas bem grosseiras. Tomar chuva? Andar descalço? Sorvete à vontade nas férias? Rolar com seu cachorro na grama?Cantar “atirei o pau no gato”? Prendam essa mãe! Coloquem-na distante do filho, ela não tem condições de criá-lo. Chamem os direitos humanos, direitos dos animais, direitos da. da….. Da que mesmo? Qualquer um desde que façam algo pelo “bem “ dessa criança. E lendo todos os “Nãos” que dizem, fico me perguntando: Como meu filho sobreviveu ?
Para as mães que ficam se sentindo culpadas por não conseguirem seguir o “itinerário de como ser a mãe da era 2000” imposto – sim, imposto e cobrado pela sociedade: criem seus filhos com amor, religiosidade e educação. Um dia ele vai criar asas e voar: e você estará lá, em lágrimas dando tchau e esperando que ele seja feliz e apareça para pedir seu colo quando tudo ficar difícil e para comer aquele prato que só você sabe fazer!

Texto: Maristela Tavares Gonçalves

Texto Original clique aqui

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

11 thoughts on “Como meu filho sobreviveu????

    • Karin Petermann says:

      Que bom Maria! Não é fácil ser mãe e muitas vezes temos dedos apontados para nós!
      Quando você estiver em dúvida, consulta sua pediatra… Tenho certeza que ela sempre vai pensar no bem do seu bebê!…

      Afinal de contas, o que mais importa é a saúde do seu filho! 😀

  1. Suelen says:

    Oi tudo bem??? Adorei sua historia!
    Tenho um bebe que vai completar nesta terça 11 meses.
    Amamentei ele durante uma semana pois não consegui. meus seis sangraram racharam, empedraram. E fui muito criticada por isso. até de fraca me chamaram e guardo essa tristeza até hoje.
    Mas a partir dos tres meses ele começou a ter chiado no peito e tosse.
    A primeira medica dele disse que era uma bronquite fraca, outra que levei na santa casa tirou um raio x do torax e disse que era bronquite.
    Ontem começou denovo o xiado e tosse levei na pediatra dele (atual)ela mandou eu trocar o leite que ele mama, que é o ninho fortificado para o de soja. mas eu tenho certeza que meu filho não tem intolerancia a lactose.
    E agora o que faço???
    Imagina meu filho não podendo comer nada que tenha derivado de leite?
    Obrigada.

    • Karin says:

      Oi Suelen,

      Pode acontecer de mais tarde reverter a situação do seu filho, viu. Conversa direitinho com um endocrinologista infantil, sei de vários casos que reverteu a medida dos anos. Não fique desesperada pois hoje o mercado tem muito mais opções de alimentos à base de soja e sem lactose do que a 10 anos atrás.
      Por isso recomendo procurar mais especialistas para poder adequar um cardápio para seu filho.

      Abraços
      Karin

  2. Elizangela says:

    bom eu tenho 2 filhos um de 2 anos e 3 meses. e outro de 2 meses e meio. o de 2 anos mamou no peito um mes. ou seja quaze nada. e ele é muito dificil de passar mal. e muito saudavel. graças a deus. o outro tambem so mamou 1 mes. e to começando a dar suco de maça pra ele, isso que tem que dar só leite materno porque a criança vai estar mais saudavel, e vai ser um criança saudavel e mentita. isso vai da criança. se ela nasceu saudavel, vai ser saudavel e si nao. assim que reflitao bem.

  3. josimara says:

    nossa gostei muito do que li, meu filho tem 1 mes eu dou o peito para ele mas não aguento dar o tempo todo, então complemento ele com leite de caixinha, e faz muito bem para ele nunca deu nenhum problema.

  4. sara says:

    bem concordo com a maioria das coisas que você escreveu, mas as coisas mudaram, a poluição aumentou e com isso surgiu doenças novas, devido as novas bactérias,sobre amamentação se ve a diferença quando a criança se torna adulto, até mesmo a gordura de uma criança a mamentada no peito e uma que toma mamadeira é diferente, a que toma mamadeira tem uma gordura mole e que é a mamentada e mais forte, pode ser que no teu caso você viu vantagens, mas minha filha que hoje tem 10 anos tomou mingau depois de um mes, era uma criança que sempre tinha dor de garganta e ouvido, alergias,já meu filho que tem 6 anos e tomou leite materno exclusivamente até os 6 meses e misto até 2 anos, raramente ficava doente e até hoje é assim, ele tem musculos fotes, ela agora que ta mais forte , e eu vejo isso comparando com sobrinhos que mamaram lm e os que não ml, talvez algumas pessoas, não concordem mas eu como muitas mães penso assim.

  5. maristela T Gonçalves says:

    Nunca imaginei que um desabafo feito num site fosse um dia estar assim, tão……nossa!
    estou emocionada! Feliz!
    Honrada………………
    Espero que ajude muitas maes a se livrarem da culpa que nasce junto com os filhos.
    OBRIGADA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *