Cheirinho para bebê, pode?

Cada criança tem uma personalidade e por isso nem sempre o que funciona para um, dá certo para o outro. O Cauê deveria ter por volta de um ano quando ganhou o Amarelinho, um boneco feito de pano, bem artesanal, e virou o seu companheiro da hora do soninho. Existe uma variedade bem grande: naninha, paninho ou cheirinho para bebê, uma mais lindo que o outro.

Qual o benefício do cheirinho para bebê?

A Catarina era recém-nascida e já ganhara sua Princesinha, nome dado pelo irmão mais velho à naninha dela. A Princesinha tinha que estar sempre nos braços da Catarina quando ia dormir, se não estivesse, o Cauê tratava de coloca-la ao seu lado.

Ela se acostumou a dormir com ela, até que um dia fomos viajar e esquecemos a naninha em casa! Que infelicidade! Tivemos que sair para comprar uma nova, mas o modelo era diferente e ela não se adaptou. Ainda bem que a viagem foi breve! Depois que a Catarina completou um ano de idade, já não deu muita bola para a pobre da Princesinha.

img_20151116_164605204-copy

Enquanto isso, o Cauê desde sempre tinha a companhia do Amarelinho. Agora ele já fez um upload nos amigos do sono, tem um urso e a Dona Joana, uma coruja que eu ganhei de aniversário, mas ele gostou tanto que pegou para ele.

Os bichinhos são companhias para o sono, ou seja, eles só os pegam na hora de dormir. Nunca foram de arrastar os cheirinhos pela casa, então estão sempre limpinhos, e claro, de vez em quando eles ganham um banho especial! J

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente