AMAmentação, um ato de amor!


Olá queridas leitoras…
Hoje quero compartilhar um pouco da minha experiência sobre a amamentação. Sei que muitas quando estão grávidas procuram ler e reler sobre esse assunto, no fundo, a maioria de nós espera ansiosamente poder amamentar nossos filhos.
Quando soube que estava grávida, primeiramente procurei ler muito sobre esse assunto, sinceramente estava imensamente preocupada com isso.
Li sobre os vários tipos de bicos, sobre a pega certa do bebê.
Li que não existe leite fraco, que quanto mais líquidos ingerimos mais leite tende a ser produzido.
Li tantas coisas que depois esquecia e voltava a ler tudoooo de novo. Empenho, mas queria ter certeza que meu filho seria amamentado.

Procurei preparar meu peito de maneira que ele não machucasse, todo banho eu passava uma buchinha no bico e auréola afim de tirar parte da sensibilidade que tinha. Não vou negar que diversas doeu, sim, doeu, mas como futura mamãe, eu tinha certeza que no final valeria a pena.

Quero compartilhar com você uma das informações que eu li durante a gravidez que foi valiosa para mim:

O que toda mãe precisa saber para a amamentação dar certo

A melhor “pega”

O jeito como seu filho vai pegar o peito determina boa parte do sucesso da amamentação. Quando a “pega” do peito não é adequada, a criança pode receber pouco leite e ainda esticar demais a pele dos seios, provocando rachaduras, fissuras e até sangramentos. Para não transformar cada mamada em uma tortura, o melhor é colocar o bebê numa posição que favoreça a “pega”. A clássica é o bebê totalmente voltado para a mãe, com a cabecinha na altura do mamilo, barriga com barriga. Ele deve abocanhar não apenas o bico mas também a aréola ou grande parte dela. Com o bico do peito, estimule o lábio inferior da criança, para que ela abaixe a língua e abra bem a boca. Em seguida, coloque o peito na boca do bebê. O certo é que ele fique com os lábios levemente voltados para fora e aconteça uma “vedação” entre o peito e a boquinha.

Para segurar a mama, não use os dedos em posição de tesoura, pois dificulta o contato da boca do bebê com a aréola. O melhor é apoiá-la, formando um grande C. O polegar deve ser colocado na parte superior e os outros quatro dedos na parte inferior, deixando a aréola livre. Ele mexe o queixo? Você pode ouvi-lo engolindo? Bons sinais. Agora, se o bebê aperta demais os lábios ou forma covinhas profundas no rosto a cada sucção, convém interromper e começar de novo. Ele pode não estar abocanhando o peito da maneira adequada. O mesmo vale para o caso de o seio parecer deformado ou esticado durante as mamadas.

Fonte: Claudia Bebe

Para mim, amamentar nunca foi uma tortura, espero sinceramente que todas vocês que leêm o blog consigam amamentar com prazer. Faz bem pra mãe, faz bem pro bebê!

Beijos

Karin

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!

3 thoughts on “AMAmentação, um ato de amor!

  1. Mariana says:

    Muito bom amiga! Eu amoooo amamentar… fico triste por que trabalho o dia e minha pequena só amamenta 2 vezes no dia..mas por mim ela mama até 2 anos heheeh

    • Karin says:

      Mariana, tb amo amamentar, tudo de bom, né! Pelo menos sua filha ainda mama LM, isso é fundamental e se podemos amamentar 1, 2 vezes ao dia então que façamos isso!!! Pro nosso bem e dele tb!
      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *