Alimentação saudável

É engraçado pensar que muitas pessoas que me conhecem pessoalmente, vêem a minha família como exemplo de alimentação saudável. As vezes, parece que somos ETs para eles, como se só vivêssemos de frutas, verduras e coisas integrais. Mas eu sei que tenho muito a melhorar ainda.

Hoje quero falar um pouquinho sobre o que eu já aprendi sobre alimentação saudável ao longo dos anos. Não sou nenhuma expert, mas sempre gostei do assunto. Nunca vou esquecer a professora chata da sétima série, enquanto a área digital ainda não era tão avançada, levávamos pilhas de livros para pesquisar sobre: as vitaminas, sistema digestivo, sistema circulatório e etc. Lembro, como se fosse hoje, eu escrevendo sobre vitamina K (minha letra), no caderno de capa bordo e pensando como eu poderia conseguir comer todos aqueles nutrientes que eram essenciais para que meu corpo funcionasse bem. Nasceu meu amor pela biologia, apesar de não seguir carreira. Minha curiosidade diante do tema, sempre existiu.

Para aqueles que não sabem, dieta são os alimentos que nós escolhemos para comer. Portanto, vivemos seguindo uma dieta, mas não quer dizer que ela tenha um objetivo específico. Quando falamos de reeducação alimentar entramos no âmbito maior da questão. Mudar os hábitos alimentares considerados ruins pelos bons.

É simples o conceito, mas nem sempre fácil de aplicar na prática. Estava lendo agora a pouco, que nós só comemos o que temos na nossa dispensa, no nosso estoque. Se não temos em casa, dificilmente sairíamos para comprar. Diante disso, nossos hábitos começam no mercado, na hora das compras.

Sabe, ninguém é obrigado a mudar. Só muda quem quer e tem motivo para isso.

Piramide_nutricional_harvard

 

A nova pirâmide alimentar da Universidade de Harvard coloca atividade física na base da pirâmide. Incrível, que é preciso que uma universidade diga ao seres humanos que eles precisam se mexer. Porque a taxa de sedentarismo aumentou incrivelmente nos últimos anos. Em seguida ela indica a ingestão diária de cereais integrais através do: arroz, pães e massas integrais, cereais, etc. O óleo o recomendado é que seja o de canola, milho ou girassol, ou ainda, o azeite de oliva. Tem muitas pessoas que tem dificuldade em se adaptar ao azeite de oliva, mas os óleos de sementes não têm sabor diferenciado do óleo de soja e é muito mais saudável.

Frutas e verduras são recomendadas diversas vezes ao dia, de três a cinco vezes em porções diferentes, ou seja, não é para comer cinco bananas. Não conta. Uma laranja, uma maça, um mamão, morangos e a banana. Uma salada de fruta bem bonita por sinal! 🙂 Há pessoas que não são acostumadas com variedade de frutas, e por isso dizem que não gostam, até começarem a experimentar. Assim como os primeiros meses do bebê.

Aves, peixes, carnes magras, feijão, grão de bico, vagem, ovos, batatas, cenoura, amendoim e nozes, por exemplo, fazem parte do grupo que deve ser ingerido até duas vezes por dia. Agora, você deve ter pensado no seu prato: arroz, feijão, batata frita, alface, tomate e aquela carne com uma capa de gordura. Hmmm… deu até fome aqui. E você, provavelmente está me massacrando em seus pensamentos, dizendo o que é que deve comer, então. Ou ainda pensando que eu devo viver de vento… hahaha. No começo é complicado não misturar os carboidratos principalmente, mas depois vocês e acostuma e já nem se torna tudo tão complicado.

Leites e derivados mais acima. E para finalizar, no topo da tabela, para consumo esporádico, açúcares, refrigerantes, cereais refinados (coisas brancas da comida: arroz, pão, macarrão, etc) manteiga e carnes gordurosas. Se você leu direito eu escrevi e é a recomendação para ser consumido ESPORADICAMENTE. Não foi falado para você cortar e nunca mais olhar para esse tipo de alimento.

Na verdade se você conseguir cuidar durante a semana, variando a cor do prato, evitando ingerir líquidos durante as alimentações e fazendo atividade física de pelo menos 30  minutos durante três dias na semana, não há problemas de no sábado a noite você comer uma pizza bem caprichada ou então aquele churrasquinho com cerveja do domingo.

Mudar os hábitos alimentares, na verdade, não deveria ser um sacrifício. Pode ser um processo que aconteça aos poucos. Ao longo de um ano. A saúde agradece, a sua saúde e da sua família. E sabe por quê?

Porque a prevenção começa na mesa. Se ingerirmos alimentos diversificados há uma grande probabilidade que o corpo assimile todos os nutrientes que precisa. Caso contrário, pode ser um número que entre para as estatísticas da Organização Mundial da Saúde que diz:

“O relatório “Estatísticas Mundiais de Saúde 2012”, da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que a obesidade é a causa de morte de 2,8 milhões de pessoas por ano. “Hoje, 12% da população mundial é considerada obesa”, disse o diretor do departamento de estatísticas da OMS, Ties Boerma.

O relatório 2012 mostra que no continente americano 26% dos adultos são obesos, sendo a região com maior incidência do problema. No extremo oposto está o Sudeste Asiático, com apenas 3% de obesos. Baseado em dados de 194 países, o departamento de estatísticas da OMS afirma que em todas as regiões do mundo a obesidade duplicou entre 1980 e 2008.

Os dados divulgados alertam, em síntese, para o aumento das doenças não contagiosas ligadas à obesidade: diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares. Elas representam 2/3 das mortes no mundo.” Fonte: Abeso

Motivo pelo qual a obesidade está matando pelo mundo todo é porque a alimentação está desequilibrada, ou seja, a pirâmide alimentar não tem como base água e atividade física, e sim o topo da pirâmide. As pessoas estão ingerindo, demasiadamente, doces, refrigerantes, comidas gordurosas e com baixos índices nutritivos. O corpo recebendo apenas os excessos de gorduras, açucares, sal e carboidratos de péssima qualidade, começa além de estocar na forma de gordura adiposa, começa sentir alguns efeitos: como aumentos nos índices de triglicerídeos e colesterol, diabete, osteoporose e etc. Esses sintomas antigamente era dito como de velhos, hoje em dia, é normal encontrar crianças com eles.

O que mudou de 40 anos para cá? A indústria cresceu, a globalização tomou conta, a vida criou um ritmo tão agitado que nem tempo mais o ser humano tem de comer uma refeição pensada, come pelo que é prático, rápido e de preferência, gostoso.

 

O que acontece com os adultos, reflete na saúde das crianças também. Na tabela abaixo, pode-se observar o quanto o índice de obesidade aumentou nos últimos anos. No gráfico dá até para ficar um pouco chocado. Mas basta ir a um supermercado para ver essa realidade estampada. Ao observar uma criança com sobrepeso e olhar para os pais, muito provavelmente, os pais também tem excesso de peso. E agora, uma analisada mais profunda, olhar para o carrinho de compras.

 

tabela-nutricao

 

A alimentação influencia diretamente no tipo de saúde que temos, se a imunidade está alta ou não. Nossa pele, cabelo e unhas refletem também. Hoje de cada 10 pessoas que estão nas filas dos hospitais esperando por atendimento não precisariam estar lá, se mudasse os hábitos alimentares e os tornassem mais saudáveis.

Voltando a pirâmide de Harvard, pode-se observar que no canto direito há indicação de suplementação nutricional. Isso porque os alimentos não fornecem mais todos os nutrientes que deveriam fornecer. Antes de tudo é preciso pedir informação médica e ver se há necessidade. Ao contrário do que muitos pensam vitaminas e minerais não tem calorias, por isso, eles não engordam. O que engorda, bom, disso eu já falei!

Não sou do tipo neurótica. Mas procuro cuidar da alimentação aqui de casa. Por isso, como diz uma amiga minha, era muito empenhada ao cozinhar para meu filho quando bebê, porque além dele experimentar diversos sabores, estaria ingerindo maior número de nutrientes possíveis através da alimentação tradicional.

E se você ainda acha que sou um pouquinho neurótica no quesito alimentação, saiba que, eu não vivo sem meu brigadeiro… Nem tudo é perfeito, viu! hihi

 

Beijos

Karin

 

Se você gostou deste post, talvez queira ler mais:

Mãe do Cauê e da Catarina 🙂




Comente