Abuso sexual – Como falar com as crianças?

A situação ultrajante que aconteceu de pedofilia infantil em Porto Alegre mostra uma realidade explícita que acontece em muitos lugares desse mundo. Um ambiente “seguro” do cotidiano da família, um supermercado vigiado por câmeras flagrou um senhor cometendo abuso sexual em uma menina de 5 anos, segundo reportagem. Quando recebi o vídeo pelo WhatsApp, pensei duas vezes antes de abrir – não faço o download automático – mas não podia fechar os meus olhos para a realidade.

Ao ver a cena, fiquei extremamente revoltada. Senti a dor da mãe, da menina, tudo junto. Desejei o pior e falei para Deus isso, pedi perdão pelo meu sentimento de raiva. Passado esse momento, comecei a refletir e lembrar que muitas crianças passam pela mesma situação, não publicamente e por diversos motivos, ficam caladas.

Estatísticas de abuso sexual infantil

abuso-sexual

A segunda situação é ainda pior. Em 2014 o número de denúncias de violência contra a criança foram 91.342, dessas cerca de 25% são de abuso sexual. A faixa etária mais frequente é entre os 8-14 anos, totalizando 40% dos casos. Os principais suspeitos de cometerem o ato é 65% familiares e 72% dos casos acontecem ou na casa da vítima ou do suspeito. Fonte: Child Hood

Segundo estatísticas divulgadas em 18 de maio de 2016, quase 18.000 crianças podem ter sido vítimas de abuso sexual em 2015 (mais de 50 por dia). Os dados foram conhecidos através de denúncias feitas ao Disque-Denúncia Nacional Fonte: CEERT

Esses dados só nos levam pensar que esse mundo está virado no avesso. As crianças inocentes sendo vítimas de algo tão brutal e cruel. E pior, principalmente por familiares. Não é fácil falar do assunto, muitas vezes pensamos duas vezes antes de abordar. O sexo pode ser mostrado explicitamente em novelas das 21h na Rede Globo, mas quando se trata de um assunto sério, ficamos caladas.

Conversar com as crianças sobre pedofilia

Já dizia o ditado: “Quem cala, concente”! Se o assunto é chocante para gente, imagina para uma criança. Contudo a cicatriz de um abuso sexual ela levará para a vida toda. Sim, é importante falar sobre o assunto. Conscientizar as crianças de que ninguém estranho tocar nas suas partes íntimas.

Quero deixar um vídeo para vocês assistir e até mesmo, utilizarem ele para conversar com as crianças sobre abuso sexual. Ele pode ser uma porta, um mecanismo, para facilitar a abordagem.

Como abordar a criança para falar sobre pedofilia infantil

1 – Enquadre a conversa para você como uma forma de amar seu filho.

A partir de um lugar amoroso e não um lugar assustado ajudará a criar o ambiente tranquilo para o seu filho. Isso irá ajudá-los a realmente ouvir as palavras que você está dizendo. Se você está assustado e estressado, eles reagirão principalmente a esse medo e não registrarão o que você está dizendo tanto quanto isso.

Também é importante não tratar o assunto como seu tabu ou sujo (o que é como muitas vezes tratamos qualquer coisa relacionada ao sexo). Mesmo quando os pais tentam ocultar seus sentimentos, as crianças são muitas vezes muito perspicazes e retomam pequenas dicas dizendo-lhes que algo está errado.

Eles então podem pensar que falar sobre alguém que os machucou pode estar errado, mesmo que você diga que não é. Então fale de um estado de espírito calmo, casual e amoroso ao ter essas conversas.

2 – Comece a falar com eles quando ainda são novinhos, por volta dos 2 anos.

Sad Young Blonde Child

Isso pode parecer muito cedo, mas crianças com menos de 12 anos correm maior risco. Mesmo que eles não conseguem falar bem, crianças dessa idade estão ocupadas em descobrir o mundo. E eles certamente compreendem e se lembram muito mais do que os adultos costumam perceber.

Por exemplo, ao dar um banho, diga-lhes onde estão suas partes íntimas e que o pai está vendo e tocando-as para limpá-las, mas que normalmente não deveria.

3 – Ensine-lhes os nomes reais de suas partes íntimas.

Quando você começa a ensinar-lhes partes de seu corpo como orelhas, olhos e dedos, também ensinar-lhes os nomes reais de suas partes particulares como “vagina” e “pênis” e não seus nomes “fofos”. Isso lhes dá as palavras certas para usar se alguém está machucando-as e garante que a pessoa que está sendo informada entenda o que está acontecendo. Também é importante ensinar anatomia feminina e masculina porque o agressor pode ser de qualquer gênero e eles precisam saber como descrever o que acontece com eles.

Em um caso, uma criança disse a seu pai que seu estômago estava doendo. Quando a levou ao médico, informou-lhes que a vagina mostrava sinais de estupro. Sua pequena filha tentava dizer o que estava acontecendo, mas ela simplesmente não sabia o que chamar de vagina. Então ela disse barriga em vez disso.

4 – Compartilhe as únicas instâncias em que suas partes íntimas podem ser vistas e tocadas.

abuso sexual na infância

Um conceito apropriado para a idade para uma criança pequena para entender é que ninguém – incluindo um pai ou cuidador – deve ver ou tocar suas partes particulares, a menos que eles os mantenham limpos, seguros ou saudáveis.

Mas também certifique-se de saberem que, mesmo nessas situações, se alguém as machucar, eles ainda podem dizer “parar, isso dói” e dizer aos pais imediatamente.

Alguns exemplos para ajudá-los a entender o que você está falando são quando você está dando banho ou um médico está vendo-os. Pergunte-lhes se é um exemplo de mantê-los limpos, seguros ou saudáveis, como você está fazendo isso.

5 – Ensine-lhes que as partes íntimas são especiais.

Ao falar sobre este tópico, é importante não criar um tabu ou um sentimento sujo em torno de suas partes íntimas. Em vez disso, os pais podem ensinar a seus filhos que suas partes íntimas são tão especiais que são apenas para eles e para ninguém, a menos que alguém os ajude a manter suas partes íntimas limpas, seguras ou saudáveis.

Você também pode perguntar o que se sente quando alguém os toca para mantê-lo limpo, seguro ou saudável. Isso irá ajudá-los a entender a diferença entre esse tipo de toque e alguém tocando-os sexualmente.

Além disso, explique que, se alguém está fazendo com que eles se sintam ” excitado ou agradável” em suas partes íntimas, ainda não é apropriado e eles devem dizer-lhe imediatamente. É importante não torná-los errados ou envergonhados por ter algum prazer sexual, já que muitas crianças se tocam. Em vez disso, deixe claro que é um problema se outra pessoa está fazendo isso com eles.

Também é importante ensinar-lhes que não é apropriado tocar as partes íntimas de outras pessoas, mesmo que um adulto as solicite. E se alguém o fizer, eles devem avisá-lo imediatamente.

6 – Ensine-os (e respeite) o direito de controlar seus corpos.

abuso na infância

Isso mostra o que muitas vezes ensinamos nossos filhos – que os adultos têm autoridade absoluta sobre tudo e as crianças têm que fazer o que lhes é dito. O problema é que isso só ensina a não falar quando se sentem magoados e assustados por causa do que um adulto está dizendo para eles fazer.

Em vez disso, ensine seu filho que seu corpo é dele e ninguém tem o direito de ferir seus corpos mesmo quando um adulto está fazendo isso. Para as crianças, é muito poderoso ter permissão para dizer “não” a um adulto, se eles estão desconfortáveis ​​com o pedido.

Por exemplo, quando você estiver em um evento social, não faça seu filho beijar ou abraçar qualquer um. Em vez disso, informe o seu filho que eles podem dar um beijo, um abraço, um aperto de mão ou nada para as pessoas que vêem e é inteiramente para eles. E quando um adulto tenta fazê-los dar-lhes um abraço e eles não querem, incentivar a criança a dizer “não” e apoiar sua decisão verbalmente, se necessário.

7 – Explique que ninguém deve machucá-los fisicamente, especialmente em suas partes íntimas.

85% do abuso sexual infantil é perpetrado por alguém que conhecem. Pode ser pai, parente, amigo da família, vizinho, professor ou líder religioso. Pode ser um homem, uma mulher ou outra criança.

Pode ser qualquer um. Ninguém infelizmente está na lista segura. Na verdade, as crianças são mais vulneráveis ​​com os familiares e conhecidos. Então, certifique-se de que seu filho sabe que ninguém pode ferir seus corpos, independentemente de quem eles estão – mesmo quando eles estão com seus pais.

Também é importante que eles compreendam que você está falando com eles sobre isso porque você os ama e quer que eles estejam seguros. Assim como você ensina-lhes a atravessar a estrada porque eles podem ser atingidos por um carro, você também está ensinando-lhes que alguém pode machucá-los sexualmente. Isso não significa que isso aconteça.

Mas no caso de alguém tentar, seu filho saberá que eles podem dizer “não, pare isso” e dizer o que aconteceu sem que você fique chateado com eles.

8 – Incentive-os a confiar em seus intestinos em torno de sua segurança.

abuso-sexual-vanguardia

Enquanto os pais não devem incutir um medo das pessoas em seus filhos, eles devem apoiar seus filhos em confiar em seu instinto. Ao confiar em sua intuição, as crianças serão ambas mais capacitadas em fazer suas próprias escolhas sobre quem é seguro, em vez de confiar principalmente no que um pai disse a eles. Isso é importante porque um pai nem sempre estará lá com eles.

Uma maneira é dizer à criança antes dos eventos sociais que, se alguma vez se sentem desconfortáveis com alguém – mesmo que nada aconteça, eles podem sair da sala e dizer aos pais. Mesmo que pareça “grosseiro”, eles devem saber que não serão punidos por simplesmente sair da sala. Sua sensação de segurança vem antes da necessidade de ser “educada”.

9 – Explique que um segredo ainda é um segredo quando compartilhado com os pais.

Muitos abusadores contam às crianças vítimas que o que aconteceu foi um segredo e não contar a ninguém, especialmente aos pais. Portanto, é importante ensiná-los no início de que os segredos ainda são mantidos em segredo se eles contam à mãe ou ao pai.

Além disso, eles devem entender quem quer que eles guardem segredos de seus pais não devem ser confiáveis ​​e eles definitivamente devem contar aos pais sobre isso.

10 – Diga-lhes que você vai acreditar neles se alguém os machucar e eles não terão problemas.

Desenho feito por criança abusada sexualmente
Desenho feito por criança abusada sexualmente

Muitos abusadores dizem às vítimas que ninguém vai acreditar nelas e criar uma sensação de vergonha em torno do que aconteceu. As crianças em geral, geralmente culpam-se e assumem a responsabilidade por coisas que acontecem em suas vidas, independentemente de quem é realmente responsável por isso.

Diante disso, as crianças muitas vezes temem o que seus pais farão se eles falem, inclusive sendo punidos. Certifique-se de que eles sabem sem dúvida que você não ficará chateado, que eles fizeram o que é certo e que você está orgulhoso deles por lhes dizer a verdade.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey’s Anatomy!
Comente