A máquina

Era uma vez uma praia que o mar não gostava dela, e sempre comia a areia, até que um dia a praia ficou quase sem areia. Essa história, não é uma estória. Realidade da cidade de Balneário Piçarras/SC, onde hoje moramos. A muito, muito tempo atrás a praia havia sido restaurada, mas como a história já dizia, o mar levou embora toda areia da praia.

Devido a isso, o governo atual (eca política!) conseguiu verba para a reconstrução da praia, depois de uma longa historinha atrás de dinheiro, claro. Decretou situação de emergência (e que emergência! Pois a rua da praia, já estava sendo sucumbida pelo mar também) Enfim… a reconstrução da praia virou atração turística!

Caminhões e caminhões carregando pedras para a construção do molhe e uma máquina retroescavadeira (acho que é isso) que ajuda a organizar a disposição das mesmas. Se tudo isso já chama a atenção de adultos, desperta muito mais o interesse das crianças, e aqui em casa não foi diferente.

Praia é sempre uma delícia!!! Rolar e brincar na areia, construir e destruir castelos, correr e criar brincadeiras…

Depois de um dia de trabalho, aproveitando o (ainda) horário de verão fomos à praia. Curtir o pequeno e brincar com ele é o que qualquer pai/mãe pode querer. Nós fomos movidos por um barulho (pi pi pi pi pi)… eis que A MÁQUINA estava à trabalhar:


A máquina trabalhando é uma alegria aqui em casa, dá pra ver da janela e é quase um “vício”, ouve-se o barulho e o pequeno já corre querendo ver. Antes de ir pra escola também, temos que dar uma espiadinha na máquina.

Esse dia foi especial, porque vimos a máquina parando de trabalhar, chegou bem pertinho de nós dois… A carinha de expectativa de ver a máquina tão grande, barulhenta e tão pertinho:

Os caminhões, antes abandonados em casa, ganharam movimento, companhia de giz de cera, canetinhas, dominó e claro… pedras! A vovó (coruja) vendo o encanto que o pequeno tinha com a máquina, só pode dar uma de presente!!! E o disco não é outro… “Máquina, jogar pedra na água, a máquina mexe!”



É interessante a descoberta, reutilizar os brinquedos e assim por diante. Observar a realidade e reproduzir na fantasia.

Todos que cercam o Cauê, sem exceção, sabem da máquina, dos caminhões… Historinha que ele conta, repete e não troca o disco!

*PS: Ele esteve do meu lado o tempo inteiro enquanto eu escrevia, porque queria ver as fotos da máquina.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

5 thoughts on “A máquina

  1. Fanny Barbosa says:

    Nossa que farra do curumim, que alegria!!! =) o meu tem um caminhãozinho desses e tb fica brincando no chão de barro, vc é mais chique vai pra praia rsrsr =)
    Seu blog tb ficou lindo com a roupa nova!!!!
    =*

    • Karin says:

      Obrigada Fanny…. estreiamos o novo layout quase juntas… 😀

      Cada um inventa a brincadeira com o que tem… hoje temos praia, amanhã podemos ter barro… hahaha 😀

      Beijosss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *