A “guerra” nas papelarias

Estreiando o papai Diogo Petermann (@diogopetermann) foi às compras e relata o acontecido… divirtam-se!!

Início de ano, e quem tem criança na escola sabe que é hora de enfrentar filas, fazer pesquisas e comprar aquela enormidade de coisas que a escola pede na (leia com voz de narrador de filme de terror) “Lista de Material Escolar”.

E como eu moro em uma cidade maior, com um número maior de papelarias, mais concorrência e possibilidade de economizar uns bons dinheiros, fiquei responsável por essa parte.

Primeiro, fui a um só local. Na minha cabeça eu iria gastar muito mais em combustível fazendo uma pesquisa de preços do que indo a um lugar que sei que tem bons preç os e uma variedade de coisas.

Chegando lá, peguei a senha número 90. Estava na 47. E aquela fila de pais esperando sua vez, com o papelzinho da senha na mão. Diante desta situação, o que eu fiz? Peguei uma cesta de compras, meu celular com a lista e fui sozinho à caça dos itens.

Mas o grande motivo de escrever sobre isso é outro. E aqui vai: Por que os papais vão junto com as mamães se não ajudam em nada? Em nada mesmo!

A primeira cena que vi era um garoto brincando de escalar as pilhas de papel sulfite, derrubando uma parte e o pai ali, olhando. Quando viu que eu estava olhando soltou um (leia com voz suave e tranquila,): “Não faz isso filhooooo”.

Depois era uma mamãe com a lista procurando o material e as crianças ao redor dela infernizando a pobre criatura. O papai, que estava junto e poderia ajudar mantendo as crianças sob controle, estava fazendo o que? Passeando pela loja, dizendo “Olha que legal isso”; “Esse aqui é mais bonito”.

Sério. Vai junto pra quê? A mulher pode muito bem ir sozinha e escolher tudo. Elas sabem fazer estas coisas muito bem e vão economizar, pois farão tudo com calma, analisando bem antes de escolher.

Claro que não sei quais as circunstâncias que levaram cada um até ali, mas parece que falta diálogo, definir funções, “Eu cuido disso enquanto você faz aquilo”!

Claro que tem os papais que ajudam (Eu, eu, eu!!!), mas estou relatando o que eu vi hoje.

O meu resumo:  em 34 minutos eu peguei quase tudo da lista (só faltaram 3 itens que não tinha na loja) e a minha senha nem tinha sido chamada ainda (estava na 47, lembram? A minha era a 90! Quando saí ainda estava na 76!!).

E não sei se vai ser sempre assim simples para fazer as compras de material do meu lindão, mas essa experiência de hoje me valeu um aprendizado gigantesco.

Mãe do Cauê e da Catarina, esposa do Diogo Petermann. Casada há 11 anos. Apaixonada por brigadeiro de panela, pipoca e Grey's Anatomy!

One thought on “A “guerra” nas papelarias

  1. Ana Carolina says:

    A compra do material escolar envolve tanta coisa.
    Tem que escolher um material de boa qualidade, comprar quantidades infinitas de folhas e tem vezes que ainda sucumbir ao pedido das crianças por algo extra.

    Beijos,
    Ana Carolina
    #amigacomenta
    http://loucuramaterna.blogspot.com/

Comente